Kaurismäki é o único medalhão na disputa da Berlinale

Kaurismäki é o único medalhão na disputa da Berlinale

Rodrigo Fonseca

15 Dezembro 2016 | 11h34

Egresso da Finlândia,

Egresso da Finlândia, “The Other Side of Hope” marca a volta de Aki Kaurismäki ao circuito, via Berlinale (9 a 19 de fevereiro)

RODRIGO FONSECA

Plataforma internacional para experimentação narrativa e para tramas que arranham tabus políticos ou comportamentais, o Festival de Berlim anunciou nesta quinta a leva inicial de concorrentes ao Urso de Ouro de sua 67ª edição (9 a 19 de fevereiro), tendo até agora apenas um medalhão da direção em concurso: o finlandês Aki Kaurismäki. Em maio, na abertura da Quinzena dos Realizadores de Cannes, ele foi premiado com a Carroça de Ouro pelo conjunto de sua obra, coroada mundialmente com 45 prêmios, dado a cults como O Homem Sem Passado (2002) e O Porto (2011). Ele volta agora com The Other Side of Hope, repetindo a estrutura fabular que lhe é peculiar. Entre seus concorrentes estão diretoras de traço autoral demarcado como a portuguesa Teresa Villaverde, de volta com Colo, e a inglesa Sally Potter, de volta com a comédia de tons trágicos The Party, e a polonesa Agniezka Holland, que concorre com Spoor.   Voltam a concurso dois realizadores já premiados em solo alemão. O romeno C?lin Peter Netzer, que ganhou o Urso em 2013 com Instinto Materno, volta ao páreo agora com Ana, Mon Amour. E o chileno Sebastián Lélio, que nos deu de presente Glória, há três anos, regressa às terras germânicas com Una Mujer Fantástica. Todos esses títulos hão de passar pelo julgamento de um time de jurados liderado pelo holandês Paul Verhoeven, que dirigiu o aclamado Elle, com Isabelle Huppert, indicado ao Glabo de Ouro e já em cartaz no Brasil.

Mais uma leva de concorrentes vai ser divulgada na primeira quinzena de janeiro, sendo que antes saem as produções escaladas para as mostras paralelas, como Fórum e Panorama. Estima-se que amanhã será conhecido o longa-metragem de abertura, sendo que há um bolsão de apostas em torno da escolha de T2 – Trainspotting, de Danny Boyle, para o posto.

“Ana, Mon Amour”, da Romênia

A lista de concorrentes:

A Teströl és a Lélekröl (On Body and Soul, Hungria), de Ildiko Enyedi

Ana, mon amour (Romênia), de C?lin Peter Netzer

Beuys (Alemanha), documentário de Andres Veiel

Colo (Portugal), de Teresa Villaverde

The Dinner (EUA), de Oren Moverman

Félicité (Senegal), de Alain Gomis

The Party (Reino Unido), de Sally Potter

Pokot (Spoor, Polônia), de Agnieszka Holland

Toivon Tuolla Puolen (The Other Side of Hope, Finlândia), de Aki Kaurismäki

Una Mujer Fantástica (Chile), de Sebastián Lelio

 

“Colo”: grife autoral portuguesa

Seção Berlinale Special (fora de concurso)

La Reina de España (The Queen of Spain, Espanha), de Fernando Trueba

Le Jeune Karl Marx (The Young Karl Marx, Alemanha), de Raoul Peck

 Últimos Días en La Habana (Last Days in Havana, Cuba), de Fernando Pérez