Jurado em Cannes, Will Smith se reinventa na Netflix

Jurado em Cannes, Will Smith se reinventa na Netflix

Rodrigo Fonseca

06 Maio 2017 | 12h06

Em “Bright”, Will Smith é um policial que trava parceria com um orc para debelar forças das trevas

RODRIGO FONSECA

Astro rei de Hollywood de 2004 a 2008, quando estrelou uma série de blockbusters de distintos gêneros, tendo sido ainda indicado ao Oscar de melhor ator, Willard Carroll Smith Jr. anda amargando a rejeição popular há quase uma década, por culpa de uma série de escolhas infelizes. Seu último sucesso, Esquadrão Suicida, foi considerado por muitos o pior filme de 2016, apesar do faturamento alto que contabilizou. É hora de mudar… O primeiro passo que Will deu para a mudança foi aceitar um convite para ser jurado na 70ª edição do Festival de Cannes, integrando um time presidido pelo diretor espanhol Pedro Almodóvar. O passo dois foi mudar seu foco de visibilidade, trocando o circuito exibidor pela Netflix. Seguindo a mesma trajetória do colega Adam Sandler, que se instalou na plataforma digital de exibição, Will vai protagonizar um dos títulos mais esperados da “emissora”: Bright. Nesta produção de US$ 90 milhões, ele é um policial que une forças a um orc para debelar forças das trevas que se instalam em nosso mundo, a partir das ações de uma feiticeira. Noomi Rapace e Joel Edgerton estão no elenco, sob a direção de David Ayer. Estreia em dezembro.