Joia de Lee Daniels no streaming

Joia de Lee Daniels no streaming

Rodrigo Fonseca

30 de maio de 2020 | 13h53

Em “The Paperboy” Matthew McConaughey é uma repórter que ajuda Nicole Kidman a provar que seu amado pode ser inocente numa acusação de assassinato

Rodrigo Fonseca
Sumido nas telas desde o fenômeno “O Mordomo”, cuja bilheteria beirou US$ 177 milhões em 2013, o diretor Lee Daniels passou os últimos sete anos dedicado a séries de TV, como “Empire – Fama e Poder” e “Star”, desenvolvendo projetos pra telona como o remake de “Laços de Ternura” (1983), de olho em Oprah Winfrey para ser sua protagonista. Fuçando streamings à cata de pérolas, um dos mais provocativos trabalhos do cineasta de 60 anos salta aos olhos, no menu da Globoplay: “Obsessão” (“The Paperboy”, 2012). Indicado à Palma de Ouro em Cannes, o longa-metragem é uma adaptação do romance homônimo de Pete Dexter, oferecido antes a Pedro Almodóvar. O realizador espanhol já foi chamado para assumir a direção de projetos em língua inglesa muitas vezes, mas só sentiu desejo de dizer “sim” quando foi cotado para rodar “O Segredo de Brokeback Mountain” (2005). Logo, a opção de filmar a trama de Dexter acabou descartada, mas seu enredo noir – sobre uma femme fatale às voltas com uma investigação de assassinato – caiu em boas mãos ao ser confiado a Daniels. A questão da homofobia foi um dos tópicos que ele amplificou na narrativa. “Sendo um homem negro gay, eu já vivi relações com homens brancos que, por um fantasma de preconceito, não assumiam a relação”, disse o cineasta na Croisette, em 2012, quando apresentou o longa. Ele referia-se à opção de um de seus principais personagens, o jornalista Ward Jansen, vivido por Matthew McConaughey, em se manter no armário, dado o preconceito dos EUA dos anos 1960.

Ward vai investigar o caso de Charlotte (Nicole Kidman, numa atuação devastadora), moradora do Alabama que se envolve com um preso da Flórida. O presidiário em questão, Van Wetter (John Cusack), foi condenado ao corredor da morte pelo assassinato de um xerife. Ward escala seu irmão caçula, Jack (Zac Efron) para servir como seu motorista enquanto investiga o caso. No processo, o rapaz acaba caindo nas graças de Charlotte e sua cabeça vira, alucinada de desejo. Dublada no Brasil por Letícia Quinto, Nicole foi indicada ao Globo de Ouro por seu desempenho. Efron foi bastante elogiado por sua atuação no longa em sua passagem em Cannes. Mas os elogios não levaram a produção ao êxito comercial, o que não dilui, em nada, sua relevância estética… e ética.

p.s.: Neste domingo, a partir de 12h, o Telecine Cult promove a maratona “Parabéns, Clintão”, em homenagem aos 90 anos de Eastwood.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: