Jean-François Richet, o imperador da ação

Jean-François Richet, o imperador da ação

Rodrigo Fonseca

22 de maio de 2020 | 14h44

Rodrigo Fonseca – #FiqueEmCasa
Dínamo do cinema de ação europeu, o realizador francês Jean-François Richet (“Herança de Sangue”) tem um par de filmes de peso ao alcance de um clique, na web brasileira, com o cult “Inimigo Público nº 1 – Parte 2” (2008) na Globoplay e o brilhante thriller de época “Imperador de Paris” (2018), inédito aqui, no Looke. Vincent Cassel protagoniza ambos. O primeiro, visto por 1,4 milhão de pagantes em seu país, é uma revisão histórica, com recheio de adrenalina, dos feitos do gângster Jacques Mesrine (1936-1979). Já “L’Empereur de Paris” foi concebido para ser a ofensiva francesa contra os blockbusters de Hollywood, baseando-se nos feitos do criminoso Eugène François Vidocq (1775-1857). O longa fez jus a seu objetivo: graças ao carisma do já citado Cassel, o longa vendeu 730 mil ingressos em três semanas. Na trama, Vidocq tenta refazer sua vida como comerciante, mas é empurrado de volta ao submundo, mas, desta vez, para debelar os malfeitores. As cenas de combate rodadas por Richet são impressionantes.

Aos 53 anos, o diretor conversou com o P de Pop, num papo articulado pela Unifrance, o órgão de fomento da produção audiovisual da França. A conversa foi uma iniciativa para aproximar os maiores artistas das telas de sua pátria de outros públicos cinéfilos.
“Personagens com zonas cinzentas: é isso que me interessa”, disse Richet. “Em todas as épocas há ‘heróis’, mas algumas épocas permitem termos mais figuras heroicas. Guerras e revoluções, por exemplo, fomentam o heroísmo. Na dramaturgia, situações extremas ajudam a eclodir do conceito e ‘herói’. E, depois, há os heróis do nosso dia adia, aqueles que arriscam as suas vidas, conscientemente, para salvar as vidas dos outros.
Ladino transformado em detetive em “L’Empereur…”, o Vidcoq de Richet é influenciado por um seriado da década de 1970 com Claude Brasseur. “Vidocq é uma figura com uma rota única. Ele era um bandido de renome e ele vai se tornar chefe da polícia de Paris. Na França, houve uma série de televisão sobre ele muito popular”, diz o cineasta. “Embora a noção de herói, mais propositiva, passe longe desse Vidocq que existe em nossas memórias, algumas coisas interessantes relativas àquela referência permaneceram”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: