‘Hope’: esperança de mais bons ventos em Berlim

‘Hope’: esperança de mais bons ventos em Berlim

Rodrigo Fonseca

23 de fevereiro de 2020 | 21h13

Rodrigo Fonseca
Tendências de Berlim? Talvez seja cedo para aponta-las, fora a certeza de que Encounters, a Un Certain Regard da maratona alemã, criada pela atual curadoria (Mariette Rissenbeek e Carlo Chartrian) este ano, é o filé mignon do evento. Lá, os destaque vão para “Funny Face”, de Tim Sutton (uma história de amor em um Brooklyn ameaçado de ser desfigurado; para “Kill It An Leave This Town”, desenho animado existencialista do polonês Mariusz Wilczynski; e “Gunda”, .doc ecológico de Victor Kossakovsky sobre uma família suína. Mas tudo nessa nova seção deve mudar a partir de sexta, com a vinda do português “A Metamorfose dos Pássaros”, de Catarina Vasconcelos. Neste documentário que trança perdas, a diretora de “Metáfora ou a tristeza virada do avesso” (2014) combina sua própria experiência de orfandades materna com a de seu pai, Jacinto, no que promete ser uma jornada sobre a comunhão familiar na desinência da dor. Para julgar essa primorosa oferta de experimentos sobre urgências do contemporâneo estão a diretora chilena Dominga Sotomayor, o produtor japonês Shozo Ichiyama e a cineasta alemã Eva Trobisch. No Panorama, ainda se fala sem parar da “Cidade Pássaro”, de Matias Mariani, por seu olhar sobre um músico nigeriano à cata do irmão em SP. Mas, nesta segunda, o evento recebe “Hope”, de Maria Sodahl, que promete solapar a concorrência. Nesta produção norueguesa da diretora de “Limbo” (2010), um casal (Andrea Bræin Hovig e Stellan Skarsgård, que já é uma certeza de excelência) enfrenta um Natal assolado pela dor depois que ela desenvolve um tumor cerebral. Dizem Europa adentro que é o melhor trabalho de Skarsgård, recém-laureado com o Globo de Ouro por “Chernobyl”, da HBO. Na competição, como os embargos não permitem comentário algum sobre a epifania “Sibéria”, (banho de descarrego) de Abel Ferrara, vale dizer que o melhor filme em concurso, até o momento é o alemão “Undine”, de Christian Petzold. O realizador de “Em trânsito” (2018), esbanja domínio na direção ao narrar uma história de amor que evoca a mitologia das sereias. Na trama, a historiadora Undine (Paula Beer) começa um romance com o escafandrista Christoph (Franz Rogowski) depois de sofrer uma desilusão amorosa. Mas vai arrastar seu passado consigo, afogando o rapaz em memórias que fazem um paralelo com a História da própria capital da Alemanha.

Na busca por produções mais midiáticas, a ala de mercado do evento, o European Film Market (EFM) parece estar de olho em “The Postcard Killings”, do bósnio Danis Tanovic, que promete ser um dos grandes sucessos de bilheteria da Europa este ano. Jeffrey Dean Morgan e Famke Janssen encabeçam o elenco deste policial sobre o assassinato de uma jovem em Londres.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: