Hamaguchi dirige a mil pro Oscar 2022

Hamaguchi dirige a mil pro Oscar 2022

Rodrigo Fonseca

08 de fevereiro de 2022 | 11h52

RODRIGO FONSECA
Poucos mistérios e poucas surpresas rondam o Oscar 2022, cuja indicações saíram nesta terça-feira, com “Ataque dos Cães” soberano em 12 frentes, mas algumas alegrias merecem destaque, sendo a principal delas o sucesso absoluto de “Drive My Car”. Durante o anúncio das nomeações às estatuetas da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, divulgado de Los Angeles (às 5h18 lá), pela atriz Tracee Ellis Ross e pelo ator Leslie Jordan, foram QUATRO indicações para o diretor japonês Ryûsuke Hamaguchi, de 43 anos, e seu longa magistral. Ele concorre aos prêmios de Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Direção, Melhor Filme Internacional e Melhor Filme. E soube disso às vésperas de assumir suas funções como jurado na 72ª Berlinale, que começa na quinta-feira, presencialmente. É uma distinção merecida para uma produção que trava diálogo com a prosa de Haruki Murakami, um dos mais celebrados escritores do mundo na atualidade, em uma narrativa longa, de 179 minutos de ardor. É a saga de um ator e diretor de teatro em reinvenção, após a morte de sua mulher, construindo laços afetivos com uma jovem motorista. Com sua beleza plástica, o filme já conquistou cerca de láureas e a fama de ser “o melhor filme de angústias adultas dos últimos anos”, como se falou em sua passagem pelo Festival de Cannes. Seu realizador está em cartaz no Brasil desde janeiro com outro longa, “Roda do Destino”, este ganhador do Grande Prêmio do Júri na Berlinale 2021.

Revelado em Sundance e premiado com o troféu Cristal de Annecy, longa dinamarquês “Fuga” já contabiliza 62 láureas

Dia 27 de março, quando rola a cerimônia de entrega do Oscar, a indústria do entretenimento vai aplaudir o único filme que pode dar algum trabalho a “Drive My Car”, o dinamarquês “Fuga” (“Flee”), exibido no Brasil em abril passado, durante a abertura do festival É Tudo Verdade, tem mais chance de ser o expoente em outras categorias. Qualificado pra lutar pelo troféu de Filme Internacional pela Dinamarca, aos olhos da Academia, o longa de Jonas Poher Rasmussen – sobre um intelectual gay afegão que às vésperas de se casar com o namorado, relembra o calvário enfrentado em sua infância, em meio aos talibãs – tem fortes chances de conquistar a estatueta de Melhor Documentário e mesmo a de Melhor Animação. Seus adversários são: entre os .docs, “Summer of Soul (…ou, Quando A Revolução Não Pode Ser Televisionada)”, de QuestLove, sobre um concerto de soul music em 1969; e entre os filmes animados, “Encanto”, da Disney.

p.s.: A fofura de musical “Pimentinha – Elis Regina para Crianças”, novo espetáculo do premiado projeto ‘Grandes Músicos para Pequenos’, encerra temporada, neste domingo (13/02), no Teatro Clara Nunes, no Shopping da Gávea. Com direção de Diego Morais, direção musical de Guilherme Borges e texto de Pedro Henrique Lopes, o espetáculo mostra a importância da autoestima, e questiona os padrões de beleza impostos às mulheres, em uma grande homenagem a Elis Regina. O projeto tem uma trajetória de sucesso ao apresentar os grandes nomes da MPB para as novas gerações, em espetáculos que reúnem toda a família. Depois de Luiz Gonzaga, Braguinha, Milton Nascimento, Caetano Veloso, Gilberto Gil e Raul Seixas, a homenageada da vez é uma das maiores cantoras brasileiras. “Buscamos inspiração na história de Elis Regina, em seus primeiros passos como artista, para trazer ao palco a importância de assumir sua personalidade desde cedo”, comenta o autor Pedro Henrique Lopes. Sessões no sábado e no domingo, às 16h

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.