Gus Van Sant entra na briga pelo Urso de Ouro alemão

Gus Van Sant entra na briga pelo Urso de Ouro alemão

Rodrigo Fonseca

18 Dezembro 2017 | 12h39

“Don’t Worry, He Won’t Get far On Foot”, de Gus Van Sant, é baseado em fatos reais da luta pela superação de um jovem paraplégico e tem Joaquin Phoenix e Jonah Hill no elenco

Rodrigo Fonseca
Nos últimos 30 anos, Gus Van Sant exibiu sete filmes no Festival de Berlim, em seções variadas, tendo papado uma série de prêmios por lá. Não há de se estranhar portanto que seu trabalho mais recente, Don’t Worry, He Won’t Get Far On Foot, baseado em fatos reais, tenha sido escalado para disputar o Urso de Ouro na edição número 68 da Berlinale. A produção põe Joaquin Phoenix na pele de um paraplégico às voltas com a luta pela superação. Jonah Hill, Rooney Mara e Jack Black estão com Phoenix em cena no longa-metragem, anunciado nesta segunda-feira pelo evento germânico dentro de um pacote de 11 concorrentes aos prêmios da competição oficial. O 11º foi divulgado há cerca de duas semanas e entra como atração de abertura: a animação Ilha dos Cachorros, de Wes Anderson. Com um elenco estelar de dubladores (Edward Norton, Bill Murray, Jeff Goldblum, Bryan Cranston, Scarlett Johansson e Greta Gerwig), o filme animado estreia dia 23 de março nos EUA com o título original de Isle of Dogs.

“Figlia Mia”: Itália no páreo

Nesta segunda, além do drama pilotado por Van Sant, a coordenação de Berlim revelou outros nove longas em competição: Eva, de Benôit Jacquot (França); Dovatlov, de Alexey German (Rússia); Figlia Mia, de Laura Bispuri (Itália); In The Aisles, de Thomas Stuber (Alemanha); Mein Bruder Heist Robert Und Ist Ein Idiot, de Philip Gröning (Alemanha); e Twarz, de Malgorzata Szumowska (Polônia).  Novos concorrentes serão anunciados até o dia 15 de janeiro. Estima-se que 7 Days in Entebbe, de José Padilha, estará na peleja pelo Urso dourado, assim como Piedade, de Cláudio Assis. Aposta-se ainda na presença de Unicórnio, de Eduardo Nunes.

Dois filmes europeus foram escalados para o pacote de atrações hors-concours da Berlinale.68. A espanhola Isabel Coixet dirige uma casta de bons atores ingleses, tipo Emily Mortimer e Bill Nighy, em The Bookshop. O segundo título fora de concurso do Velho Mundo é prata da casa: o alemão The Silent Revolution, de Lars Kraume.

Aeroporto Central (Zentralflughafen THF), o novo filme de Karim Aïnouz

Para além das especulações sobre Padilha, Assis e Nunes, o Brasil já conquistou um cantinho pra si no evento, na seção Panorama, com uma trinca de documentários. O cearense Karim Aïnouz exibe lá Aeroporto Central (Zentralflughafen THF); Bixa Travesti é o nome da investigação sobre desconstruções de identidade de gênero feita por Claudia Priscilla e Kiko Goifman; e Ex-Pajé, que é o filme zero km de Luiz Bolognesi (roteirista de Bingo – O Rei das Manhãs), que aborda um etnocídio indígena na Amazônia. Há um longa da Europa, Obscuro Barroco, da diretora grega Evangelia Kranioti, que também fala de questões nossas ao retratar uma lenda da cultura queer carioca: a travesti Luana Muniz (1961-2017).

 

Há quem diga que Berlim vá comemorar os 20 anos de Central do Brasil (1998), de Walter Salles. Mas nada sobre isso foi já oficializado.