Gramado acolhe a excelência de Maria Ribeiro

Gramado acolhe a excelência de Maria Ribeiro

Rodrigo Fonseca

14 Agosto 2017 | 10h13

Maria Ribeiro galga um novo (e altíssimo) patamar entre as grandes atrizes brasileiras à frente do drama “Como Nossos Pais”, de Laís Bodanzky: sábado em concurso em Gramado (fotos de Priscila Prade/ Divulgação)

Rodrigo Fonseca
Gramado abre as portas de seu 45º festival nesta sexta-feira dando um banho de descarrego em nossas miopias morais com a projeção de João, o Maestro, de Mauro Lima. No mesmo dia vem a esperada produção nacional de grife NetFlix O Matador, de Marcelo Galvão. Mas já no início da briga pelos Kikitos gramadenses, neste sábado, temos um dos filmes mais esperados do ano pelo circuito, que chega embalado por elogios conquistados no Festival de Berlim: o drama Como Nossos País, de Laís Bodanzky. Marcada para entrar em circuito no dia 31 de agosto, a produção foi eleita melhor filme pelo júri popular do Festival de Cinema Brasileiro de Paris, onde encantou a plateia com a potência de autorrenovação de sua protagonista, Maria Ribeiro. Aqui abaixo, você confere o artigo que o P de Pop gerou ao sair da sessão do longa-metragem na capital alemã, em fevereiro.

Viagem no tempo – destino: Festival de Gramado, 2002. Noite de uma sexta de mestres: primeiro veio Edifício Master, de Eduardo Coutinho; depois, La Perdición de Los Hombres, do mexicano Arturo Ripstein; e, por fim, chegou por lá a cereja do bolo gaúcho, a comédia Separações, de Domingos Oliveira. Construída na lógica de ménage à trois – entre vida real, teatro e cinema – típica do (hoje octogenário) realizador, a love story entre um diretor e uma atriz que se separavam trazia em seu elenco uma força da natureza, que punha cada cena sua no bolso com seu jeitão falastrão de pombajira. Essa atriz era Maria Ribeiro, que, ainda não tão conhecida, era chamada de “a morena do Domingos”, não de um modo pejorativo, de ranço machista, mas sim como um indicativo de suas raízes.

Nos anos que se seguiram a “Morena do Domingos” foi a mulher (e depois ex-mulher) do Capitão Nascimento na franquia Tropa de Elite (2007-2010); dirigiu curta; rodou dois documentários (Domingos, sobre seu mestre nos palcos, e Los Hermanos – Esse é Só o Começo do Fim da Nossa Vida, sobre a banda homônima); botou as entranhas existenciais pra fora no palco, na (senhora) peça Deus é um DJ (2011); apresentou programas de TV; e passou a escrever crônicas.

E o tempo passa…

De volta para o presente – destino: Festival de Berlim, seção Panorama, 2017, e, de novo, é sexta… só que de manhã, e manhã fria. Era tipo 10h na sala Cinemax da capital alemã quando começou a projeção de Como Nossos Pais, exercício de roteiro dos mais vigorosos em termos de diálogos sobre aquele objeto pontiagudo que causa tétano chamado “amor”. Quem sobe ao palco do Cinemax, convocada pela alemãzona gatinha de cabelo encaracolado que comanda a Panorama, é a diretora Laís Bodanzky, realizadora cria da Retomada, conhecida por Bicho de 7 Cabeças (2000), levando no colo, em gesto de acalanto, o mais maduro de seus longas. E Maria Ribeiro está nele. Ou melhor, Maria Ribeiro é ele. Mas até a sessão começar, sob os auspícios cartesianos da alemãzona, a “morena do Domingos” atacava de making of ambulante, filmando a movimentação, enquadrando o microcosmo germânico via frestas.

Mas aí a luz apagou, subiram os créditos iniciais, Jorge Mautner entrou em cena, de ator, dizendo “sou dodói, mas tenho bom coração” e aí… Aí, malandro… a “morena do Domingos” fez jus ao seu nome de Maria e deu pra gente uma atuação feita das raspas e restos do que sobrou de uma mulher tornada bagaço de si mesmo pela desatenção. Temos em cena uma cidade meio nublada, onde de vez em quando chove (e bem), diante de uma câmera que se deixa fisgar por discussões com a sede de um peixe. Muito se fala em Como Nossos Pais, numa incontinência onde a câmera de Pedro J. Márquez brinca de estátua ora em “sequência-plano” (imobilidade), ora em “plano-sequência” (movimento sem corte), para olhar uma mulher que busca uma zona de tolerância para si – no fundo, essa é a marca autoral de Laís. Nos filmes dela, tem sempre alguém querendo um alívio, seja num baseado (como fazia Rodrigo Santoro no sempre citável Bicho de 7 Cabeças), seja numa gafieira para corações carentes (terra do monumental Chega de Saudade), seja num científico com hordas de hormônios em fúria (As Melhores Coisas do Mundo). Como é filme de autor, não vai ser diferente aqui com Rosa, a personagem vivida por Maria, que talvez encontrasse um abrigo quente num abraço. Mas, em tempos de baixa estima, abraço é aquele guarda-chuva que não abre em hora de tempestade.

No roteiro mais tchekoviano no cinema brasileiro recente, com declives e falésias morais típicos de Luiz Bolognesi (o scriptman fiel de Laís), Mautner é o Tio Vânia que vai dar a medida do isolamento de Rosa em relação a um país chamado felicidade. É mais ou menos assim: Rosa é uma aspirante a dramaturga obrigada a fazer bicos numa empresa de cerâmica para banheiros. Seu casamento com um antropólogo indigenista (Paulo Vilhena) virou Aveia Quaker; sua filha mais velha está que é birra só; sua irmã a considera careta; e seu pai, um artista plástico zureta (Mautner, um sol a cada cena), está cada vez mais cheio de dívidas. Para piorar, sua mãe (Clarisse Abujamra) dá a ela duas notícias que vão virar sua rotina do avesso. Melhor manter as duas em sigilo por enquanto. O filme conta por nós. Já já ele estreia.

A questão é: expelida do mínimo de certeza que tinha sobre si, Rosa cai da inércia e implode. É na implosão, sem deixar um resquício de excesso (um vomitoriozinho que seja), que Maria Ribeiro renasce para os cinemas, não mais como a coadjuvante que brinca de Pac-Man com as cenas, mas como protagonista, como uma estrela de fina estampa e alto quilate dramático, capaz de se posicionar entre as grandes atrizes do nosso cinema, ali onde estão Karine Teles (Riscado), Leandra Leal (Nome Próprio), Alice Braga (Cidade Baixa), Maeve Jinkings (Amor, Plástico e Barulho) e outras. Ela cresce, em especial, quando na companhia de um diretor-ator dotado de ferramental truffautiano, Felipe Rocha. Este entra na pele de um pretendente que pode servir de bálsamo para Rosa. Um quê de sensualidade e molecagem se amalgamam na interação desses dois atores, fazendo algo próximo daquilo que, no lugar comum mais lugar comum do nosso audiovisual, chamam de “cinema argentino”, ou seja, retratos afetivos onde a palavra é ação e onde a fúria de nossa latinidade perde a saturação em nome da leveza, seja ela um sinal de carência ou sinal de enlevo.

Jorge Mautner rouba a cena no papel do pai de Maria Ribeiro

Brincando de Tchekov, Maria trafega da perplexidade à acomodação das feridas, sem jamais perder inquietude em seu olhar. E, à espreita dela, a direção de Laís pesa e dosa humor e dor em doses exatas de ambos. Diretora e atriz chegam a um lugar de graça, onde a primeira lapida sua autoralidade e a segunda conjuga com suas próprias desinências verbos que aprendeu nos filmes de Domingos: perder, cair, levantar e saber sorrir. E a Berlinale sorriu com ela.

 

Agora é a vez de ela brilhar em Gramado.

 

Eis a programação oficial do festival:


18 DE AGOSTO DE 2017 (sexta-feira)

13h30

Museu do Festival

Mostra Educavídeo

 

19h

Palácio dos Festivais

Longa Metragem de Abertura | JOÃO, O MAESTRO, de Mauro Lima (104’)

HOMENAGEM 45 ANOS FESTIVAL DE CINEMA DE GRAMADO AOS GRAMADENSES

LMB | O MATADOR, de Marcelo Galvão (107′) *sessão com audiodescrição

 

19 DE AGOSTO DE 2017 (sábado)

9h30

Teatro Elisabeth Rosenfeld

Reprise | O MATADOR, de Marcelo Galvão (107′)

 

10h

Sala Diamante – Hotel Serra Azul

ENCONTRO DOS AGENTES DO SUL (SIAV)

 

10h30

Sala de Debates – Hotel Serra Azul

DEBATE

Debate dos filmes concorrentes exibidos na noite anterior.

 

13h

Palácio dos Festivais

Sessão Mostra Gaúcha 01

TELENTREGA, de Roberto Burd  (10’)

Sena, Os Fios em Prosa, de Marcelo da Rosa Costa e Cacá Sena (18’)

Cá com os meus Botões, de Murilo Bittencourt (15′)

Temporal, de Gabriel Honzik (13′)

Sob Águas Claras e Inocentes, de Emiliano Cunha (17′)

Luna 13, de Filipe Barros (17′)

10 Segundos,  de Thiago Massimino (13′)

1947, de Giordano Gio (20’)

Secundas, de Cacá Nazario (16’)

Yomared, de Lufe Bollini (15’)

 

13h30

Museu do Festival

Mostra Educavídeo

 

14h

Teatro Elisabeth Rosenfeld

Gramado apresenta

Caminhando no Gramado com a Água na Canela, de Dharma Slack e Vladimir Momberger (25’)

Era uma Vez no Sul – Um Salto ao Passado, de Otávio Machado e Norma Goldbeck  (27’)

 

16h

Teatro Elisabeth Rosenfeld

Gramado apresenta

Matheus Schmidt – Um Caso de Amor pelo Brasil, de Márcia Schmidt e Rogerio Brasil Ferrari (80’)

 

CRERH Centro de Reabilitação Emanuel

Cinema nos Bairros

Os Saltimbancos Trapalhões – Rumo a Hollywood, de João Daniel Tikhomiroff (99’)

 

19h

Palácio dos Festivais

CMB | O ESPÍRITO DO BOSQUE, de Carla Saavedra Brychcy (15’)

LME | MIRANDO AL CIELO, de Guzmán García (78’)

TROFEU EDUARDO ABELIN | OTTO GUERRA

CMB |POSTERGADOS, de Carolina Markowicz (17’)

LMB | COMO NOSSOS PAIS, de Laís Bodanzky (106’)

 

20 DE AGOSTO DE 2017 (domingo)

9h30

Teatro Elisabeth Rosenfeld

Reprise

LME | Mirando al Cielo, de Guzmán García (78′)

LMB | Como nossos pais, de Laís Bodanzky (106′)

 

10h30

Sala de Debates – Hotel Serra Azul

DEBATE

Debate dos filmes concorrentes exibidos na noite anterior.

 

11h

Museu do Festival

Otto Guerra

O Natal do Burrinho (5’), O reino azul (14’), O Arraial (13’), Nave mãe (12’)

 

11h

Sala Diamante – Hotel Serra Azul

MESA

O espaço do curta-metragem (SIAV/APTC)

 

13h

Palácio dos Festivais

Sessão Mostra Gaúcha 02

Cores de Bissau, de  Mauricio Canterle (16′)

Gestos, de Alberto Goldim e Julia Cazarré (11’)

Solito, de Eduardo Reis (5’)

O Caçador de Árvores Gigantes, de Anttonio Pereira (10)

Bicha Camelô, de Wagner Previtali (16’49”)

Kátharsis, de Mirela Kruel (18’)

Mãe dos Monstros, de Julia Zanin de Paula (8’40”)

Através de Ti, de Diego Tafarel (16’11”)

 

13h30

Museu do Festival

Mostra Educavídeo

 

15h

Museu do Festival

Canadá | Programa 1 (42’)

Snow Cat (O gato da neve), 1998, Sheldon Cohen, 22’58”

Christopher Changes his Name (Christopher muda o seu nome), 2000, Cilia Sawadogo, 6’30”

The Cora Player, 1996, Cilia Sawadogo, 7’05”

The Tournament, 1995, Francine Desbiens, 6’31”

 

Comunidade Terapêutica Vale a Pena Viver (Linha Nova Gramado)

Cinema nos Bairros

Um Tio Quase Perfeito, de Pedro Antonio (96’)

 

 

15h30

Palácio dos Festivais

Mostra Homenagem 45 – Homenagem a Jean Thomas

Until the birds return, de Karim Moussaoui(115’)

 

19h

Palácio dos Festivais

CMB | MEDICO DE MONSTRO, de Gustavo Teixeira (11’)

CMB | A GIS, de Thiago Carvalhaes (20′)

LMB | AS DUAS IRENES, de Fabio Meira (90′)

HOMENAGEM 45 | GAUCHOS

Premiação Mostra Assembleia Legislativa de Curtas Gaúchos

 

00h

Hotel Laghetto

Festa Oficial dos Curtas

 

21 DE AGOSTO DE 2017 (segunda-feira)

 

9h

Palácio dos Festivais

Mostra Infantil

Otto Guerra apresenta: O Natal do Burrinho (5’), O reino azul (14’), O Arraial (13’), Nave mãe (12’)

 

EMEF Nossa Senhora de Fátima – Vila do Sol (Várzea Grande)

Cinema nos Bairros

 

Filmes Educavídeo

 

9h30

Teatro Elisabeth Rosenfeld

Reprise

LMB | As duas Irenes, de Fabio Meira (90′)

 

10h30

Sala de Debates – Hotel Serra Azul

DEBATE

Debate dos filmes concorrentes exibidos na noite anterior.

 

11h

Museu do Festival

Otto Guerra

O Natal do Burrinho (5’), O reino azul (14’), O Arraial (13’), Nave mãe (12’)

 

14h

Palácio dos Festivais

Mostra Homenagem 45

Paulo Autran – O Senhor dos Palcos, de Marco Abujamra (82′)

 

Teatro Elisabeth Rosenfeld

Mostra Gaúcha

Todos, de Luiz Alberto Cassol e Marilaine Castro da Costa (80’) *sessão com audiodescrição, libras e legendas descritivas

 

Sala Diamante – Hotel Serra Azul

Assembleia geral da Abraccine com eleição da nova diretoria

 

15h

Museu do Festival

CANADÁ| Programa 2 (41’)

Ludovic – The Snow Gift (Ludovic, o presente da neve), 2001, Co Hoedeman, 14’24”

The Sand Castle (O castelo de areia), 1977, Co Hoedeman, 13’12”

Roses Sing on New Snow (As rosas cantam na neve fresca), 2002, Yuan Zhang, 7’04”

From Far Away (De longe), 2000, Shira Avni/Serene El-haj Daoud, 6’39”

 

EMEF Nossa Senhora de Fátima – Vila do Sol (Várzea Grande)

Cinema nos Bairros

Filmes Educavideo

 

16h

Sala Diamante – Hotel Serra Azul

MESA

Cinema e Preservação com Alice Gonzaga,  Dani Schmitt – Museu do Festival e Cinemateca Capitólio

 

Teatro Elisabeth Rosenfeld

Mostra Gaúcha

O Caso do Homem errado, de Camila de Moraes (77’)

 

18h

Sala Diamante – Hotel Serra Azul

DEBATE

Debate Mostra Gaúcha

 

19h

EMEF Nossa Senhora de Fátima – Vila do Sol (Várzea Grande)

Cinema nos Bairros

Até que a Sbórnia nos Separe, de Otto Guerra (93′)

 

Palácio dos Festivais

CMB | CAMINHO DOS GIGANTES, de Alois Di Leo (12′)

LME | LOS NIÑOS, de Maite Alberdi (82’)

HOMENAGEM 45 | PAULO AUTRAN (in memorian)

HOMENAGEM 45 | Lucy e Luiz Carlos Barreto

CMB | O QUEBRA CABEÇA DE SARA, de Allan Ribeiro (10′)

LME | X500, de Juan Andrés Arango (108’)

 

22 DE AGOSTO DE 2017 (terça-feira)

 

9h

EMEF Dr. Carlos Nelz – CAIC – Bairro Moura

Cinema nos Bairros

Filmes Educavideo

 

9h30

Teatro Elisabeth Rosenfeld           

Reprise

LME | Los niños, de Maite Alberdi (82)

LME | X500, de Juan Andrés Arango (108’)

 

10h30

Sala de Debates – Hotel Serra Azul

DEBATE

Debate dos filmes concorrentes exibidos na noite anterior.

 

11h

Museu do Festival

Otto Guerra

O Natal do Burrinho (5’), O reino azul (14’), O Arraial (13’), Nave mãe (12’)

 

14h

Sala Diamante – Hotel Serra Azul

MESA

50 anos do encontro de Viña del Mar – Utopia vigente do Cinema Latino Americano com Alquimia Peña e Pedro Zurita

 

Teatro Elisabeth Rosenfeld

Mostra Gaúcha

Som sem sentido, Gabriela Bervian  (52’)

Liga dos Canelas Pretas, de Antônio Carlos Textor (26’)
Palácio dos Festivais

Mostra Homenagem 45

Desarquivando Alice Gonzaga, de Betse de Paula (80′)

 

15h

Museu do Festival

CANADÁ | Programa 3(40’)

The Tender Tale of Cinderella Penguin (O conto da Cinderela Pinguim), 1981, Janet Perlman, 9’57”

The Cat Came Back (O gato voltou), 1988, Cordell Barker, 7’37”

Whenthe Dust Settles (Quando o pó baixa), 1997, Louise Johnson, 7’11”

Lights for Gita (Luzes para Gita), 2001, Michel Vo, 7’34”

The Owlwho Married a Goose: An Eskimo Legend (A coruja que se casou com um ganso), 1974, Caroline Leaf, 7’38”

 

EMEF Dr. Carlos Nelz – CAIC – Bairro Moura

Cinema nos Bairros

Filmes Educavídeo

 

16h

Sala Diamante – Hotel Serra Azul

LIVRO

Lançamento do Livro “Road Book del Cine Latinoamericano” de Pedro Zurita

 

Teatro Elisabeth Rosenfeld

Mostra Gaúcha

Substantivo Feminino, de Daniela Sallet e Juan Zapata  (62’)

 

18h

Sala Diamante – Hotel Serra Azul

DEBATE

Debate Mostra Gaúcha

 

19h

EMEF Dr. Carlos Nelz – CAIC – Bairro Moura

Cinema nos Bairros

Os Saltimbancos Trapalhões – Rumo a Hollywood, de João Daniel Tikhomiroff (99’)

 

 

Palácio dos Festivais

CMB | TELENTREGA, de Roberto Burd (11′)

LME | SINFONÍA PARA ANA, de Virna Molina e Ernesto Ardito (119′)

HOMENAGEM 45 | Alice Gonzaga

CMB | SAL, de Diego Freitas (15’) *sessão com audiodescrição

LMB | A FERA NA SELVA, de Paulo Betti, Eliane Giardini e Lauro Escorel (83′) *sessão com audiodescrição

 

23 DE AGOSTO DE 2017 (quarta-feira)

 

9h

EMEF Presidente Vargas

Cinema nos Bairros

Filmes Educavídeo

 

Palácio dos Festivais

Mostra Infantil

Sobre Rodas, de Mauro D’Addio (73’)

 

9h30

Teatro Elisabeth Rosenfeld

Reprise

LME | Sinfonia para Ana, de Virna Molina e Ernesto Ardito

(119’)

LMB | Fera na Selva, de Paulo Betti, Eliane Giardini e Lauro Escorel (83’)

 

10h30

Sala de Debates – Hotel Serra Azul

DEBATE

Debate dos filmes concorrentes exibidos na noite anterior.

 

11h

Museu do Festival

Otto Guerra

O Natal do Burrinho (5’), O reino azul (14’), O Arraial (13’), Nave mãe (12’)

 

Sala Diamante – Hotel Serra Azul

MESA

Lançamento Escritório de Negócios APL | Assinatura APL  Audiovisual (FUNDACINE)

 

14h

Sala Diamante – Hotel Serra Azul

LIVRO

Lançamento “Bernardet 80: Impacto e influência no cinema brasileiro”, lançamento da Abraccine com organização de Ivonete Pinto e Orlando Margarido

 

Teatro Elisabeth Rosenfeld

Mostra Festivais Convidados 
Punta del Este: Santa y Andrés, de Carlos Lechuga? (105’)
Palácio dos Festivais

Mostra Homenagem 45

Pitanga, de Beto Brant e Camila Pitanga (113’)

 

15h

EMEF Presidente Vargas

Cinema nos Bairros

Filmes Educavídeo

 

Museu do Festival

CANADÁ | Programa 4 (41’)

Dinner for Two (Jantar para dois), 1996, Janet Perlman, 7’18”

The Magic ofAnansi (A mágica de Anansi), 2001, Jamie Mason, 6’51”

WithGrandma (Com vovó), 1999, Françoise Hartmann, 9’23”

How Dinosaurs Learned to Fly (Como os dinossauros aprenderam a voar), 1995, Munro Ferguson, 5’58”

Christopher, please clean up your room! (Christopher, por favor, arruma o seu quarto!), 2001, Vincent Gauthier, 6’58”

EveryChild (Toda criança), 1979, Eugene Fedorenko, 6’13”

 

Sala Diamante – Hotel Serra Azul

LIVRO

Livro “Hablemos de Cine (Antología) Vol. 1, dedicado al cine de Perú y A. Latina” de Isaac Leon e Federico de Cárdenas.

16h 

Sala Diamante – Hotel Serra Azul

MESA

As mulheres na crítica de cinema do Brasil (ACCIRS)

 

Teatro Elisabeth Rosenfeld

GRAMADO E BIENAL DO MERCOSUL

Becoming Bulletproof, de Michael Barnett (80’)

 

19h

EMEF Presidente Vargas

Cinema nos Bairros

Os Saltimbancos Trapalhões – Rumo a Hollywood, de João Daniel Tikhomiroff (99’)

 

Palácio dos Festivais

CMB | CABELO BOM, de Swahili Vidal (15′)

LME | EL SERENO, de Oscar Estéves e Joaquín Mauad (89′)

TROFEU CIDADE DE GRAMADO | Antônio Pitanga

CMB | #FEIQUE, de Alexandre Mandarino (20′)

LMB | PELA JANELA, de Caroline Leone (84′)

 

24 DE AGOSTO DE 2017 (quinta-feira)

9h

EMEF Maximiliano Hahn

Cinema nos Bairros

Filmes Educavideo

 

9h30

Teatro Elisabeth Rosenfeld

Reprise

LME | El Sereno, de Oscar Estéves e Joaquín Mauad (89′)

LMB | Pela Janela, de Caroline Leone (84′)

 

10h

Hotel Serra Azul

CONEXO?ES PAINE?IS – GRAMADO FILM MARKET

Desafios Ancine & BRDE, Débora Ivanov e Luiz Noronha

 

10h30

Sala de Debates – Hotel Serra Azul

DEBATE

Debate dos filmes concorrentes exibidos na noite anterior.

 

11h

Hotel Serra Azul

CONEXO?ES PAINE?IS – GRAMADO FILM MARKET

Financiando e produzindo com o Canada?, Raphae?lle Lapierre-Houssian, Adam Till e Monica Aguirre

 

11h

Museu do Festival

Otto Guerra

O Natal do Burrinho (5’), O reino azul (14’), O Arraial (13’), Nave mãe (12’)

 

Hotel Serra Azul

CONEXO?ES PAINE?IS – GRAMADO FILM MARKET

Canal Brasil e o cinema brasileiro, Paulo Mendonc?a

 

14h

Hotel Serra Azul

CONEXO?ES PAINE?IS – GRAMADO FILM MARKET

Cinema, TV & Games: efeitos visuais – hub do Canada?, Ranz Ranzenberger e Rodrigo Assaf

 

Teatro Elisabeth Rosenfeld

Mostra Festivais Convidados

Mar del Plata: Subte Polska, de Alejandro Magnone (98’)

 

Palácio dos Festivais

Mostra Homenagem 45

Oswaldo Massaini – Uma paixão pelo Cinema, de Aníbal Massaini (100’)

 

15h

EMEF Maximiliano Hahn

Cinema nos Bairros

Filmes Educavídeo

 

Museu do Festival

CANADÁ | Programa 5 (41’)

La Salla, 1996, Richard Condie, 8’11”

Strings (Cordas), 1991, Wendy Tilby, 10’18”

Bob’s Birthday (O aniversário de Bob), 1993, Alison Snowden/David Fine, 12’18”

The Street (A rua), 1976, Caroline Leaf, 10’12”

 

Hotel Serra Azul

CONEXO?ES PAINE?IS – GRAMADO FILM MARKET

Filmando com realidade virtual, Ricardo Laganaro

 

16h

Hotel Serra Azul

CONEXO?ES PAINE?IS – GRAMADO FILM MARKET

Criando histo?rias e personagens, Michael Baser e Patricia Emi?dio

 

Teatro Elisabeth Rosenfeld

GRAMADO E BIENAL DO MERCOSUL

Through a Lens Darkly, de Thomas Allen Harris (92’)

 

19h

EMEF Maximiliano Hahn

Cinema nos Bairros

Um Tio Quase Perfeito, de Pedro Antonio (96’)

 

Palácio dos Festivais

CMB | MÃE DOS MONSTROS, de Julia Zanin de Paula (9′)

LME | LA ULTIMA TARDE, de Joel Calero (81′)

HOMENAGEM 45 | Oswaldo Massaini (in memorian)

TROFEU KIKITO DE CRISTAL | Soledad Villamil

CMB | O VIOLEIRO FANTASMA, de Wesley Rodrigues (7′)

LMB | BIO, de Carlos Gerbase (105′)

 

 

25 DE AGOSTO DE 2017 (sexta-feira)

9h

EMEF Senador Salgado Filho

Cinema nos Bairros

Filmes Educavídeo

 

Hotel Serra Azul

CONEXO?ES WORKSHOPS – GRAMADO FILM MARKET

Workshop Roteiro para se?ries, Adam Till, Michael Baser

Workshops Autodesk Smoke/Flame, Ranz Ranzenberger

 

9h30

Teatro Elisabeth Rosenfeld

Reprise

LME | La ultima tarde, de Joel Calero (81′)

LMB | BIO, de Carlos Gerbase (105′)

 

10h30

Sala de Debates – Hotel Serra Azul

DEBATE

Debate dos filmes concorrentes exibidos na noite anterior.

 

11h

Museu do Festival

Otto Guerra

O Natal do Burrinho (5’), O reino azul (14’), O Arraial (13’), Nave mãe (12’)

 

12h

Hotel Serrano

Feijoada

 

13h

Hotel Serra Azul

CONEXO?ES PAINE?IS – GRAMADO FILM MARKET

Cinema brasileiro ontem & hoje, com Luiz Carlos Barreto e Cacá Diegues

 

14h

Teatro Elisabeth Rosenfeld

Mostra Festivais Convidados

Festival Internacional del Nuevo Cine Latinoamericano de Habana

 

Palácio dos Festivais

Mostra Conexões GFM | PAÍS HOMENAGEADO – CANADÁ

Todo Grão de Arroz (Every Grain of Rice), de CAROL NGUYEN (7’)

Como você pronuncia Pho? (How Do You Pronounce Pho?)  de CAROL NGUYEN (5’)

Desarraigado (Uprooted), de CAROL NGUYEN (5’)

SPEED SISTERS, de AMBER FARES (81’)

Debate: Mulheres do audiovisual, Carol Nguyen e Amber Fares

Encerramento com a presença do Embaixador do Canada?, Riccardo Savone.

 

 

Hotel Serra Azul

CONEXO?ES PAINE?IS – GRAMADO FILM MARKET

Cinema brasileiro ontem & hoje, Luiz Carlos Barreto e Cacá Diegues

 

15h

EMEF Senador Salgado Filho

Cinema nos Bairros

Filmes Educavídeo

 

Museu do Festival

CANADÁ | Programa 6 (41’)

Village of Idiots (A vila dos bobos), 1999, Eugene Fedorenko/Rose Newlove, 13’

Strange Invaders (Invasores estranhos), 2001, Cordell Barker, 8’27”

George and Rosemary (George e Rosemary), 1987, Alison Snowden/David Fine, 8’48”

What on Earth! (A terra é habitada!), 1996, Les Drew/KajPindal, 9’35”

 

16h

Teatro Elisabeth Rosenfeld

Mostra País Convidado – Itália

In Guerra per Amore, de Pierfrancesco Diliberto (99’)

 

19h

EMEF Senador Salgado Filho

Cinema nos Bairros

Até que a Sbórnia nos Separe, de Otto Guerra (93′)

 

Palácio dos Festivais

CMB | TAILOR, de Calí dos Anjos (10′)

LME | PINAMAR, de Federico Godfrid (84′)

TROFEU OSCARITO | Dira Paes

CMB | OBJETO/SUJEITO, de Bruno Autran (11′)

LMB | VERGEL, de Kris Niklison (86′)

 

 

26 DE AGOSTO DE 2017 (sábado)

9h30

Teatro Elisabeth Rosenfeld

Reprise

LME | Pinamar, de Federico Godfrid (84’)

LMB | Vergel, de Kris Niklison (86’)

 

10h30

Sala de Debates – Hotel Serra Azul

DEBATE

Debate dos filmes concorrentes exibidos na noite anterior.

 

11h

Museu do Festival

Otto Guerra

O Natal do Burrinho (5’), O reino azul (14’), O Arraial (13’), Nave mãe (12’)

 

13h30

Museu do Festival

Mostra Educavídeo

 

15h

Museu do Festival

CANADÁ |Programa 7 (42’)

Under the Weather (De molho), 1997, Tali, 6’10”

DivineFate (Destino divino), 1993, IshuPatel, 10’45”

The Endofthe World in Four Seasons (O fim do mundo em quatro estações), 1995, Paul Driessen, 12’57”

Frank the Wrabbit, 1998, John Weldon, 9’06”

M.C. Escher: Sky and Water (M.C. Escher: céu e agua), 1998, Gayle Thomas, 3’25”

 

21h

Palácio dos Festivais

Noite de Premiação dos filmes da mostra competitivas de longas-metragens brasileiros, longas-metragens estrangeiros e curtas-metragens brasileiros.