‘Ghost’ agora do outro lado das coxias

‘Ghost’ agora do outro lado das coxias

Rodrigo Fonseca

10 de setembro de 2017 | 14h34

Rodrigo Fonseca
Atração obrigatória do Dia dos Namorados na Sessão da Tarde desde 1993, quando estreou na TV aberta, Ghost – Do Outro Lado da Vida, um dos maiores campeões de bilheteria do mercado exibidor brasileiro (vendeu 10.035.256 ingressos em 1990, só em território nacional), ressuscita agora nos palcos, como musical. Estreia amanhã, no Teatro Bradesco,na Barra da Tijuca, a versão cantada da love story metafísica entre o bancário Sam Wheat (André Loddi) e a artista plástica Molly Jensen (Giulia Nadruz), uma ceramista. A Morte vai se meter no casamento deles, como fez no filme, que custou US$ 22 milhões e faturou (mundialmente) US$ 505,7 milhões, à força de todo o carisma entre Patrick Swayze e Demi Moore. Some a isso, ainda, o desempenho hilário de Whoopi Goldberg, coroada com o Oscar de coadjuvante pelo papel da vidente charlatã Oda Mãe Brown (dublada aqui por Selma Lopes). Oda, na encarnação teatral (adaptada e produzida por Ricardo Marques), é vivida por Ludmillah Anjos. O longa, de Jerry Zucker, que ganhou ainda a estatueta de melhor roteiro original da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, foi vertida para as artes cênicas no Rio por José Possi Neto.

A Morte trava um triângulo amoroso com Sam Wheat (André Loddi) e Molly Jensen (Giulia Nadruz) na versão musical de “Ghost” para os palcos do Rio

Após a exibição desta segunda, o espetáculo fica no Bradesco de 15 de setembro a 5 de novembro, às sextas e sábados, às 21h,e aos domingos, às 17h30. A seguir, Possi Neto fala ao Estadão sobre seu recorte narrativo.

Qual é o maior desafio de se representar a espiritualidade no teatro, sem incorrer no já estabelecido e bem-sucedido filão espírita?
José Possi Neto: Ghost é um roteiro americano, desvinculado de qualquer orientação ou filiação religiosa. É mais uma especulação sobre uma possível vida após a morte. É, antes de mais nada, uma história de amor. Uma tragédia provocada por mais uma operação de ganância e poder que reverencia um único Deus o Dinheiro. Bastante atual, concordam? A preocupação central não é religiosa, tanto que as cenas mais cômicas são com a personagem Oda Mãe Brown, a suposta vidente.

De que maneira o filme com Demi Moore e Patrick Swayze, marco dos anos 1990, serve como parâmetro (ou não) pra construção da encenação de Ghost?
Possi Neto: O roteiro da versão teatral é fidelíssimo ao roteiro do filme. Com poucas adaptações.

Como entra a representação das forças sobrenatuais na linguagem do espetáculo?
Possi Neto: Alta tecnologia contemporânea aliada a técnicas de magia do século XIX criam efeitos e situações aliadas ao jogo dos atores, que levam o público a se envolver com o sobrenatural.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: