França e Alemanha disparam na briga pelo Oscar de melhor filme estrangeiro

França e Alemanha disparam na briga pelo Oscar de melhor filme estrangeiro

Rodrigo Fonseca

04 Dezembro 2017 | 02h24

“Em Pedaços” traz o melhor desempenho da atriz alemã Diane Kruger nas telas

Rodrigo Fonseca
Custou a aparecer uma lista confiável de potenciais concorrentes ao Oscar de melhor filme estrangeiro – os indicados serão oficialmente conhecidos no dia 23 de janeiro. Mas o Awards Daily, site da jornalista Sasha Stone especializado em premiações, fez enfim seu primeiro ranking para a festa de 2018 da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood. Angelina Jolie vinha aparecendo sozinha no rol de apostas por seu trabalho na direção do apelativo First They Killed My Father: A Daughter of Cambodia Remembers. Porém, agora, ela não anda mais só. Nas cabeças, temos o piquete à francesa 120 Batimentos Por Minuto. Baseado em fatos reais do grupo ativista Act-Up, este drama de época que rendeu ao diretor Robin Campillo o Grande Prêmio do Júri no Festival de Cannes, em maio, com sua reconstituição febril para a luta em prol do assistencialismo aos soropositivos na Europa dos anos 1990.

“120 Batimentos por Minuto”: a luta em prol dos soropositivos na França de 1990

Também de Cannes veio Em Pedaços (In The Fade), do teuto-turco Fatih Akin, que extraiu da alemã Diane Kruger a melhor atuação de sua carreira. Ela vive uma viúva em luta para se vingar de um casal supostamente neonazista da morte de seu marido e de seu filho. E entrou ainda o longa israelense Foxtrot, de Samuel Maoz. Premiado em Veneza, este inventário de cicatrizes mostra o que sobra de uma família depois que um de seus integrantes tem problemas num posto militar. Nada se fala ainda do nosso enviado à apreciação da Academia: o delicioso Bingo. Estima-se que a quinta vaga vá para o Chile e seu Uma Mulher Fantástica, de Sebastián Lélio.