Filme de guerra com Emma Thompson faz carreira para o Oscar

Filme de guerra com Emma Thompson faz carreira para o Oscar

Rodrigo Fonseca

08 de novembro de 2016 | 14h04

Emma Thompson e Brendan Gleeson vivem uma história de amor e de cicatrizes em

Emma Thompson e Brendan Gleeson vivem uma história de amor e de cicatrizes em “Alone in Berlin”

RODRIGO FONSECA
Houve muita injustiça no resultado final do 66º Festival de Berlim – apesar da merecida consagração do documentário Fogo no Mar, de Gianfranco Rosi, com o Urso de Ouro – dificultando a trajetória comercial de filmes de alta voltagem estética que disputavam prêmios mas saíram sem nada do evento alemão. Vítima da indiferença, à época da competição germânica, o drama Alone in Berlin, comovente fábula com ossos e cicatrizes reais sobre heroísmos possíveis em tempos de batalha, acabou dando a volta por cima e, hoje, faz sucesso nos cinemas da Europa, candidatando-se até a possíveis (e justas) indicações ao Oscar, sobretudo a seu elenco. Trata-se de um drama ambientado na Segunda Guerra Mundial, vitaminado pela química entre Emma Thompson e Brendan Gleeson, que fez os ânimos da crítica ferver em solo berlinense, com sua reconstituição dos feitos altruístas de um casal alemão em luto pela perda de seu filho em meio ao jugo nazista.

Estamos diante de um filme sem medo da emoção, apoiado na força cênica de dois grandes atores e lapidado por uma enganharia sonora capaz de dar realce às explosões das bombas numa Alemanha em cinzas. Dirigida pelo ator suíço Vincent Perez, celebrado nos anos 1990 como galã em cults como A Rainha Margot (1994), a produção parte de uma narrativa clássica, com padrão de Oscar, para reviver a luta do casal Quangel, que, entre 1940 e 1942, espalhou secretamente, por toda Berlim, cartas difamando Hitler e seu governo, pelo descuido com seus soldados.

Com um pé fincado no romantismo, ao retratar a paixão inabalável entre os Quangel, Alone in Berlin usa como referência de seu roteiro um romance publicado pelo escritor Hans Fallada em 1947, com base em arquivos confidenciais sobre os Quangel retirados dos acervos da Gestapo, a polícia secreta nazista. Na trama, conforme os Quangel vão distribuindo secretamente suas cartas por Berlim, as autoridades nazistas começam a temer uma conspiração e colocam o inspetor Escherich, vivido por Daniel Brühl (de Bastardos Inglórios), no encalço dos traidores da pátria. Os oficiais de Hitler só não percebem que ele também tem queixas ao regime. É, portanto, um longa sobre fé: na vida, no amor e na resistência.