‘Fiebre austral’ na Espanha

‘Fiebre austral’ na Espanha

Rodrigo Fonseca

26 de setembro de 2019 | 08h11


RODRIGO FONSECA
Depois de projetar o drama prisional “El Príncipe”, com Alfredo Castro, e a experiência narrativa “Ema”, de Pablo Larraín, o 67. Festival de San Sebastián segue firme em seu namoro com o cinema do Chile, indo também pelas veredas do curta-metragem. Há uma joia chilena do formato no menu do evento, que termina no sábado: “Fiebre austral”, de Thomas Woodroffe. O filme foi projetado em Veneza, no início do mês.

Traduzida de modo informal como “Febre do Sul”, essa inquietante produção de 20 minutos se desenrola no ano de 1986. Nela, Amanda (a brilhante atriz Francisca Gavillán) é uma mulher solitária que vive com seu filho, Daniel, nos arredores de Liquiñe. Octavio, um colega de classe de Daniel, recebe um tiro acidental enquanto caça na floresta com o colega. Para salva o rapaz, a pedido de Daniel, Amanda é forçada a encobrir o acidente e cuidar de Octavio, para evitar que os pais dele saibam o que aconteceu. Eles compartilham vários dias sozinhos e descobrem que o contato com a ferida lhes causa prazer, em uma relação costurada a gestos e dor por Woodroffe.

Na quarta, San Sebastián passou uma noite de sala lotada com a projeção do drama “The Burnt Orange Heresy”, de Giuseppe Capodonti, que integra a sessão de tributo ao veterano ator canadense Donald Sutherland. Ele vive um pintor que, por sucessivas vezes, destruiu sua obra, a fim de poder conservar a pureza de seu olhar estético. Mas um riquíssimo colecionador e negociador de obras de arte, vivido por um mefistofélico Mick Jagger, vai obrigar um crítico de ralo caráter (papel de Claes Bang) a fazer esse velho artista a abrir seu ateliê para ele. Na sequência, o festival espanhol se deliciou com o doce “Hors Norme”, dos diretores do fenômeno francês de bilheteria “Intocáveis” (2011), Éric Toledano e Olivier Nakache. Nele, Reda Kateb e um iluminado Vincent Cassel vivem uma dupla de educadores especializados na inclusão social de jovens autistas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: