Experimental, mas fofo, ‘Muito Romântico’ leva transgressão narrativa para o Fórum da Berlinale 66

Experimental, mas fofo, ‘Muito Romântico’ leva transgressão narrativa para o Fórum da Berlinale 66

Rodrigo Fonseca

19 de fevereiro de 2016 | 15h50

Casal brasileiro reflete sobre o Espaço como uma instância existencial em "Muito Romântico": aplausos em Berlim

Casal brasileiro reflete sobre o Espaço como uma instância existencial em “Muito Romântico”: aplausos em Berlim

Soa quase anacrônico o uso do adjetivo “fofo” para definir um longa-metragem de vertente experimental, mas, no caso de Muito Romântico, exibido pelo casal Melissa Dullius e Gustavo Jahn na seção Fórum Expanded do 66º Festival de Berlim não há termo mais preciso, pois há um pé no parangolé e outro na love story. Imagine um episódio de Mad About You dirigido por Helio Oiticica. É mais ou menos isso o que os dois produziram ao longo de uma pesquisa visual realizada ao longo de uma década de trabalho, a partir de uma viagem de navio para a capital alemã. Produzido pelo diretor Gustavo Beck, que também faz uma ponta como ator, o filme é uma espécie de ensaio em 16mm sobre o tempo, o exterior e o existencial, construído a partir da vida a dois de um rapaz e uma moça (vividos pelos realizadores) em uma jornada Atlântico adentro. Uma cama é um templo onde os dois costuram uma liturgia sobre o querer, o criar e o viver.

“A princípio, o filme seria feito todo no navio, mas, depois, chegando em Berlim, sem saber quanto tempo ficaríamos aqui, expandimos o espaço e passamos a trazer outras associações visuais”, diz Jahn, conhecido por seu trabalho como ator no cult O Som ao Redor (2012), que leva para muito romântico referências de clássicos brasileiros como O Rei do Baralho, de Julio Bressane. “Ao longo dos anos, viajar se tornou o dispositivo que coloca nosso processo criativo em ação”.

Naomi Nero é a revelação de "Mãe Só Há Uma", o novo longa de Anna Muylaert

Naomi Nero é a revelação de “Mãe Só Há Uma”, o novo longa de Anna Muylaert

Acolhido com elogios calorosos pelo público do Cine Arsenal, parte do Filmhaus, o Museu do Cinema de Berlim, Muito Romântico tem a narrativa mais radical em termos formais de toda a armada brasileira aqui no festival, concentrada majoritariamente na mostra Panorama. De lá saiu o anárquico Mãe Só Há Uma, de Anna Muylaert, que deu às plateias germânicas um gostinho das discussões de identidade sexual da juventude verde e amarela, revelando o talento Naomi Nero, numa antropologia dos afetos promovida pela realizadora de Que Horas Ela Volta?. Já Antes o Tempo Não Acabava, que saiu lá de Manaus, trazido por Sérgio Andrade e Fábio Baldo, de igual afetividade etnográfica, virou um documento ficcional obrigatório para a compreensão da realidade do jovem índio no Brasil. E na seara documental, Curumim, de Marcos Prado, tirou aplausos e elogios até de Joel Coen com sua investigação sobre a barbárie a partir da morte do carioca Marco Archer na Indonésia em 2015.

 

E merece loas o curta capixaba Das Águas Que Passam, de Diego Zon, que pode nos render um Urso por seu olhar neorrealista sobre pescadores do Espírito Santo.

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.