Especulações sobre o Festival de Berlim 2017

Especulações sobre o Festival de Berlim 2017

Rodrigo Fonseca

07 Dezembro 2016 | 08h54

“T2-Trainspotting”: a revisão de um cult

RODRIGO FONSECA

Espera-se que, até o fim desta quarta-feira, a direção do Festival de Berlim vá anunciar qual será o filme de abertura e quem presidirá o júri de sua 67ª edição, agendada de 9 a 19 de fevereiro, e já assolada por rumores de que trará T2-Trainspotting, de Danny Boyle, entre suas atrações. A sequência para o cultuado ensaio de 1995 sobre o uso de heroína como analgésico filosófico estreia na Inglaterra em janeiro, num circuito bem restrito, de modo a não limitar sua carreira em mostras internacionais. Sua presença na Berlinale ainda está confirmada oficialmente, pois nada se sabe sobre o cardápio alemão até agora. Mas isso não impede que as especulações brotem. Fala-se muito da presença do novo longa da espanhola Isabel Coixet: The Bookshop, drama com Emily Mortimer sobre uma livreira às voltas com o conservadorismo inglês dos anos 1950. É alta também a boataria em torno da inclusão de Suburbicon, o novo filme dirigido por George Clooney, na briga pelo Urso de Ouro.  

 

Para a competição, estima-se ainda a presença de The Trip to Spain, do inglês Michael Winterbottom; de 55 Steps, do dinamarquês Bille August, com Helena Bonham Carter às voltas com uma discussão sobre saúde mental; do thriller polonês True Crimes, cujo protagonista é Jim Carrey; do novo filme de máfia do japonês Takeshi Kitano, o policial Outrage: Final Chapter; e do esperado Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell, do londrino Rupert Sanders. Cogita-se que Darren Aronofsky terminará seu novo longa, batizado de Day 6 e estrelado por Jennifer Lawrence e Domhnall Gleeson no prazo necessário para concorrer. Fala-se o mesmo da love story Weightless, de Terrence Malick, com Christian Bale.

Acerca do cinema brasileiro, crescem os boatos de que dois filmes já obtiveram o sinal verde da Berlinale (embora o evento ainda não tenha se manifestado oficialmente): Pendular, de Julia Murat, e Rifle, de Davi Pretto. Fala-se ainda na inclusão de Vazante, de Daniela Thomas, e, possivelmente, de Severina, de Felipe Hirsch, filmado com alguns dos maiores atores hispano-americanos, como Alfredo Castro e Javier Drolas.  

Mas, de novo, tudo isso aqui é expectativa, aposta, torcida.