‘Escrita Íntima’ documenta o amor e a pintura

‘Escrita Íntima’ documenta o amor e a pintura

Rodrigo Fonseca

15 de junho de 2022 | 13h51

“Escrita Íntima” faz uma viagem afetiva Atlântico afora

Rodrigo Fonseca
É imperdível o .doc português “Escrita Íntima”, em cartaz às 21h0, no Espaço Itaú carioca, em Botafogo; às 19h, no Esp. Itaú Frei Caneca; e às 14h no Reserva Cultual SP. É um longa que comove, ao narrar a história de amor transatlântica entre a pintora lisboeta Maria Helena Vieira Da Silva (1908-1992) e o gravurista, desenhista e (também) pintor húngaro naturalizado francês Arpad Szenes (1897-1985). A travessia de ambos, ao deixarem Paris e seguirem para o Rio, quando a névoa do III Reich põe a Europa sob trevas, instigou o realizador João Mário Grilo a investigar o querer, o poder da criação e o próprio Velho Mundo a partir desse casal. Seu documentário faz uma reflexão do que o cineasta chama de “exílio da humanidade, aquele onde, tantas e tantas vezes, somos forçados a viver (para sobreviver)”. Indicado ao Leão de Ouro de Veneza em 1982 com “A Estrangeira” e ao Leopardo dourado do Festival de Locarno, na Suíça, em 1996, com “Os Olhos da Ásia”, Grilo deu uma dimensão filosófica ao longa, sobretudo ao analisar a maneira como as obras de arte de seus dois “personagens” contagiam seu olhar e sua narrativa.
“É impossível não ser contagiado por essas obras, porque elas são a voz que fala pela interioridade deles. O que implica, claro, a visualidade específica dessas obras, mas sobretudo o tempo que elas implicam para serem mostradas”, diz Grilo ao Estadão. “Esse tempo é o que permite a identificação total do sujeito, o conhecimento dele para além do que é simplesmente racional. E é isso que sempre acontece no cinema – documentário ou ficção -, na medida em que o espectador sempre conhece mais dos personagens do que simplesmente o que a história conta: há sempre um olhar, um gesto, uma forma de dizer ou caminhar, um tempo próprio que identifica a particularidade deste ou daquele sujeito. No caso de ‘Escrita Íntima’, essa intimidade entre espectadores e personagens é sobretudo criada pela arte e por tudo o que ela implica e a forma como ela vai construindo a trama afetiva da história e nos vai enredando nela, implicando o espectador nesse processo, fazendo-o parte da história.

p.s.: Lar de filmes pilotados por mestres como Nanni Moretti, Lucia Murat e Jafar Panahi, a plataforma de streaming Reserva Imovision também estará disponível nos Canais Prime Video. Com isso, os usuários do Prime Video terão acesso ao nosso catálogo diretamente no serviço de streaming, com uma assinatura adicional.

p.s.2: Em sua 70ª edição, agendada de 16 a 24 de setembro, o Festival de San Sebastián presta um tributo ao cineasta francês Claude Sautet (1924-2000) com uma retrospectiva de sua obra, que vai exibir “As Coisas da Vida” (1970) e “Um Coração No Inverno”, que ganhou múltiplos prêmios no Festival de Veneza de 1992.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.