‘Em Um Mundo Interior’ é um dos achados do É Tudo Verdade

‘Em Um Mundo Interior’ é um dos achados do É Tudo Verdade

Rodrigo Fonseca

26 Abril 2017 | 12h26

Autismo é o foco de

Autismo é o foco de “Em Um Mundo Interior”

RODRIGO FONSECA
Agito anunciado na programação do É Tudo Verdade: nesta quarta-feira, o QG da inteligência documental brasileira, reconhecido como um dos maiores recantos do Real no cenário mundial dos festivais de cinema, promove a estreia brasileira do aclamado No Intenso Agora, filme que marca a volta do cineasta João Moreira Salles (Entreatos) ao cinema após um hiato de dez anos longe do circuito. Na quinta (27), às 21h, ocorre uma sessão do filme em São Paulo, no Cinearte, onde ele passa de novo no domingo, às 17h. Entre os títulos hors-concours, o filme, sobre memórias de 1968, tende a ser o mais badalado de toda a programação. Mas, entre os títulos em competição, algumas produções se destacam no boca a boca, com destaque para a delicadeza com que Jorge Furtado e Ana Luiza Azevedo evocam memórias literárias em Quem É Primavera das Neves?, e para o ensaio poético sobre resistência familiar Em Mundo Interior, de Flávio Frederico e Mariana Pamplona. Este último se candidata à Eternidade no que envolve a produção artística acerca do tema do autismo, reunindo uma série de olhares – de múltiplas ordens – sobre a desordem neurológica, vista a partir da relação entre autistas, seus pais e seus colegas de escola ou de parquinho. Há vários momentos comoventes na maneira como os cineastas lidam com a questão da superação das dificuldades motoras do dia a dia. Mas o maior mérito do filmes está na delicada estrutura de roteiro, que distribui em camadas questões inerentes àquele universo, caminhando entre classes sociais distintas e ressaltando a importância de um planejamento de Saúde pública capaz de assistir as famílias. O mesmo cuidado se processa com o retrato da Educação. Mariana e Frederico conseguiram criar uma estrutura a um só tempo didática e autocrítica.