Milewicz, um preparador de afetos ‘campeón’

Milewicz, um preparador de afetos ‘campeón’

Rodrigo Fonseca

13 de novembro de 2020 | 16h27

Rodrigo Fonseca
Embora raramente gargalhe em fotos de divulgação de seu trabalho, seja como preparador de elenco, seja como realizador, Eduardo Milewicz é um sorriso em forma de gente. Um sorriso à argentina, capaz de contagiar todos os que já passaram por suas oficinas ou que já derreteram o coração à luz de seus filmes, na toada de suas reflexões estéticas pautadas na poética do afetos. “Campeón!” é seu vocativo-bordão-brado-chamego preferido no trato com quem aprende (muito) com sua sabedoria, imantada de humildade. Colaborador seminal do elenco da TV Globo, onde apresentou o binômio delicadeza + serenidade como um caminho para se alcançar transcendência na atuação do dia a dia, ele tem no currículo uma comédia à moda Howard Hawks, feita lá na Argentina no início da década passada, que nunca estreou em circuito por aqui. “Samy y Yo” é o título. E há muitas razões para que se corra atrás dela, sobretudo quando uma delícia dessas arruma, enfim, uma vaga no audiovisual do Brasil. Nesta segunda, o longa-metragem entra para o menu online do Petra Belas Artes à La Carte. E tá baratinho o aluguel: só 8,9 mérreis (R$ 8,90). O primeiro dos (bons) motivos para vê-la é a presença de um tal de Darín… Ricardo Darín. Pois é… o “filho da noiva” em pessoa protagoniza estes relatos selvagens do querer, ao lado de uma atriz com A maiúsculo: a colombiana Angie Cepeda, de “Pantaleão e as Visitadoras” (1999). Exibida aqui no Festival Cine Sul em 2003, esta produção foi lançada em sua terra natal em julho de 2002. Algumas fontes classificam o longa como “Un Tipo Corriente”.
“À época, nós estávamos em uma Argentina às voltas com o fim da ilusão. A ilusão de que um peso valia um dólar, de que Buenos Aires – ou pelo menos uma parte dela – era do Primeiro Mundo. É uma Argentina de duas décadas atrás”, conta Milewicz ao P de Pop.

Eduardo Milewicz

Milewicz atendeu o Estadão nos intervalos das disputadas oficinas e cursos de imersão que promove online, a serem pesquisados em seu Instagram: @quandoacendeacamera ou no whatsapp (21)99935-0637. “Nas falas de Ricardo Darín, vemos uma forma de negação à ilusão. Samy é um homem sensível que não tem nenhum interesse de ocupar o lugar de macho alfa”, diz o diretor.

Esbanjando carisma, como de costume, Darín vive um roteirista de TV que sonha ser escritor de prestígio. Pena diariamente com as pressões da televisão e com os faniquitos de sua mãe (Henny Trayles). Mas a chegada da saltitante Mary, papel de Angie, vai tirar sua rotina do eixo. Ao chegar na emissora, cheia de ambições criativas, Mary enxerga em Samy um potencial astro para um reality show. Mas, aos poucos, ele vai encontrando nela mais do que uma chefe competente, com faro para os holofotes.
“Samy é sensível e fragilizado. Não tenta simular situações de fragilidade e, sim, vai em uma vertente contrária. Sentíamos a necessidade de apresentar um homem distinto ao que se apresentava na época. Um homem que não pode errar, não sabe errar e tem dificuldade em assumir um erro”, diz Milewicz, que dirigiu antes o tocante “A Vida Según Muriel” (1997). “Na época em que filmamos, Ricardo Darín foi uma descoberta imensa. Ele ainda não havia aberto a faceta de ser o ícone do novo cinema argentino”.
Radicado hoje no RJ, Milewicz prepara para o dia 30 de dezembro um curso de Imersão Online Audiovisual, com participação da fonoaudióloga e preparadora vocal Adriana Micarelli. “Em meus projetos atuais como realizador, estou com Dennis Carvalho desenvolvendo um seriado. Estou muito feliz e comprometido com essa parceria. Ao mesmo tempo, estou terminando o processo de escrita de um livro sobre o audiovisual contemporâneo”, diz Milewicz. “Estou muito feliz por ser um projeto que estou fazendo há muito tempo e creio que, no fim do ano infinito que é este 2020, vou poder terminá-lo e entregá-lo. Também estamos abrindo um espaço de trabalho novo aqui em Barra. Trabalho com atores, diretores relacionados a linguagem audiovisual”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: