Um .doc ‘do Carvalho’ no Canal Brasil

Um .doc ‘do Carvalho’ no Canal Brasil

Rodrigo Fonseca

03 de julho de 2022 | 09h41

Luiz Carlos Persy dubla Marlon Brando na versão brasileira de “O Poderoso Chefão”

Rodrigo Fonseca
Lançado comercialmente no Brasil em 10 de setembro de 1972, “O Poderoso Chefão” (“The Godfather”) vai ganhar os holofotes da TV Globo, em seu popularíssimo “Domingo Maior”, esta noite, às 23h40, no ciclo de comemoração de seu cinquentenário. Seu realizador, Francis Ford Coppola, há tempos devotado ao cultivo de vinícolas, está hoje empenhado em filmar “Megalopolis”, com Adam Driver, narrando o périplo de construção de uma cidade utópica.
“Minhas narrativas vão e voltam às angústias de figuras marginalizadas, pois sempre fui atraído por pessoas que estão alienadas em relação aos limites do mundo e que sonham para ampliar a realidade que as cercam. É a paixão que move os personagens que me interessam. Passeei por muitos gêneros para investigar a condição humana”, disse Coppola ao Estadão na Comic-Con, em San Diego, em 2011, quando trabalhava nas comemorações dos 40 anos da trilogia sobre o clã dos Corleone, decalcada da literatura de Mario Puzo (1920-1999), a partir de um romance de 1969.

Coppola ns filmagens

Aclamado pela crítica literária, o best-seller de Puzo, “O Padrinho”, foi lançado em 1969 e vendeu nove milhões de cópias ao longo de seus dois primeiros anos de publicação. Durante 67 semanas, o livro liderou a lista de romances mais vendidos do The New York Times. O autor recebeu US$ 80 mil pelos direitos autorais da adaptação.
Marco histórico, coroado com os Oscars de melhor filme, roteiro adaptado (do romance de Mario Puzo) e ator (Marlon Brando), o primeiro “Chefão” custou US$ 6 milhões e faturou US$ 246 milhões, consagrando Al Pacino, então com 31 anos, no papel de Michael Corleone. A primeira escolha do estúdio para dirigir o filme foi Sergio Leone (1929-1989), o realizador do sucesso “Era Uma Vez no Oeste” (1968). Mas ele disse “Não!”, pois preferiu fazer seu próprio projeto ligado ao universo dos gângsters, “Era Uma vez Na América” (1983). Outros diretores foram sondados: Peter Yates, Richard Brooks, Arthur Penn, Costa-Gavras e Otto Preminger. Nenhum fechou com a Paramount. Coppola havia se destacado como diretor com “Caminhos Mal Traçados”, em 1968. Mas seu principal crédito era o de roteirista, por seu trabalho em “Patton – Rebelde ou Herói” (1970). Parte desta história está contada no serido “The Offer”, no ar na Paramount Plus.
“O exercício de linguagem que fizemos nos tempos de ‘O Poderoso Chefão’ encontrou dificuldade de levantar financiamento e assegurar distribuição, pois não havia um padrão entre nós. Naquela época, nossos filmes ensinaram o cinema a encontrar novas maneiras de expressar humanidade, nas formas mais distintas, sem confiar em muletas mercadológicas que hoje cansam plateias”, disse Coppola durante o Festival de Tribeca de 2019, num painel mediado por Steven Soderbergh.
Na versão que será exibida pela Globo, Luiz Carlos Persy dubla Brando e Alexandre Moreno empresta a voz a Pacino.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.