Desenho animado chinês concorre ao Urso de Ouro

Desenho animado chinês concorre ao Urso de Ouro

Rodrigo Fonseca

20 Janeiro 2017 | 16h47

Esboços de personagens animados por Liu Jian, que concorre ao prêmio principal da Berlinale 2017 com o desenho

Esboços de figuras animadas por Liu Jian, que concorre ao prêmio principal da Berlinale 2017 com o desenho “Have a Nice Day”

RODRIGO FONSECA

Fiel ao empenho de fazer uma das edições mais populares de seus 67 anos de história, o Festival de Berlim, que vem se cercando de produções de tônus mais comercial desde dezembro, escalou para a ala competitiva de sua seleção de 2017 (agendada de 9 a 19 de fevereiro) um desenho animado de longa metragem, vindo de uma pátria no qual a animação independente ainda é ave rara: a China. É de lá que vem Have a Nice Dayde Liu Jian, jovem cineasta acostumado a desenhar seus trabalhos sozinho num tablete, e que este ano concorrerá ao Urso de Ouro com outros 17 títulos de distintas nacionalidades, entre eles o brasileiro Joaquim, de Marcelo Gomes, sobre o histórico de lutas de Tiradentes, e a aguardada comédia The Other Side of Hope, do finlandês Aki Kaurismäki.

“Joaquim”: Tiradentes em foco

Há 15 anos, A Viagem de Chihiro (2002) concorreu em Berlim e saiu de lá com o Urso dourado, conquistado num empate com Domingo Sangrento, de Paul Greengrass. O resultado, à época, representou um reconhecimento estético histórico para a indústria animada. Liu, que defenderá a China no continente de competidores aos prêmios alemães, é conhecido por Piercing 1, que foi a revelação do Festival de Annecy em 2010. Pouco se sabe sobre Have a Nice Day, fora o fato de que, originalmente, seria um filme sobre o ambiente escolar, centrado na relação entre um inspetor e uma aluna em meio a acontecimentos sobrenaturais.

Armie Hammer em

Armie Hammer em “Final Portrait”, de Stanley Tucci

Nesta sexta, além do longa de Liu, a Berlinale anunciou um pacotão de atrações hors-concours, incluindo o esperadíssimo The Lost City of Z, uma aventura amazônica pilotada pelo bamba autoral James Gray (de Era Uma Vez em Nova York) e estrelada por Charlie Hunnam e Robert Pattinson. O projeto é encarado como a experiência narrativa mais ambiciosa do diretor de Entraram ainda nessa seara não competitiva Sage Femme, de Martin Provost, com Catherine Deneuve e Catherine FrotFinal Portrait, de Stanley Tucci, com Geoffrey Rush, Armie Hammer e Clémence Poésy;Maudie, de Aisling Walsh, com Sally Hawkins e Ethan Hawke.

“A Mulher do Pai”: mostra Geração

Desde 2008, ano da vitória de Tropa de Elite na Berlinale, não se via uma esquadra brasileira tão ampla no evento germânico. Até o momento,  a participação brasileira inclui oito longas. Na competição oficial concorre Joaquim, de Marcelo Gomes, sobre os bastidores da Inconfidência Mineira. Na seção Panorama, ainda não completa, entraram Pendular, de Julia Murat, e Vazante, de Daniela Thomas. Na mostra Geração, estão A Mulher do Pai, de Cristiane OliveiraAs Duas Irenesde Fábio Meira; e Não Devore Meu Coração, de Felipe Bragança. No Fórum entrou o faroeste gaúcho Rifle, de Davi Pretto. E João Moreira Salles lançará o seu No Intenso Agora por lá no Panorama Dokumente, encerrando um jejum de dez anos sem lançar filmes depois da consagração de Santiago. Entraram ainda no festival os curtas Estás Vendo Coisas, de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca (este na briga pelo Urso de Ouro) e Em Busca da Terra Sem Males, de Anna Azevedo (que ficou na mostra Generation KPlus. Até o dia 25 ainda tem filme pra ser anunciado, da mostra Panorama.

“Logan”, de James Mangold, é o terceiro filme solo de Wolverine nas telas

Laureado no dia 8 com o Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro por Elle, o diretor holandês Paul Verhoeven presidirá o júri da briga pelo Urso de longas. A seleção dos curtas a serem premiados será feita por um time de jurados composto por Christian Jankowski, professor na Stuttgart State Academy of Art and Design, pela curadora do Metropolitan Museum of Art de Nova York Kimberly Drew e pelo pelo director artístico do SANFIC Santiago International Film Festival, o pesquisador Carlos Núñez.

Tendo como filme de abertura o drama musical Django, de Etienne Comar, sobre o jazzista Django Reinhardt (1910-1953), o Festival de Berlim já confirmou a exibição  de dois dos longas mais aguardados pelo filão nerd do mercado cinematográfico este ano: a terceira aventura solo do mutante WolverineLogan, de James Mangold, e T2 –Trainspotting, de Danny Boyle. De quebra, ainda tem Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final (1991), na seção Berlinale Classics. Mais pop, impossível.