‘Dampyr’, HQ italiana, chega aos cinemas

‘Dampyr’, HQ italiana, chega aos cinemas

Rodrigo Fonseca

04 de agosto de 2022 | 13h40

A versão para as telas do trio de caçadores de vampiros criados por Mauro Boselli e Maurizio Colombo

Rodrigo Fonseca
Blade, imortalizado por Wesley Snipes e repaginado agora com Mahershala Ali, na era Disney+, não é mais o único caçador de vampiros egresso dos quadrinhos a serviço do cinema, pois “Dampyr” está chegando às telas. Um longa-metragem baseado nesse gibi está pronto pra chegar às telas sob a direção de Riccardo Chemello, a fim de transformar uma narrativas nas raias do thriller sobrenatural num blockbuster. Se você nunca ouviu falar de Harlan Draka, o protagonista do gibi que nasceu na Itália e chegou ao Brasil em 2004, via Mythos, é hora de tomar uma dose de fumetti nas veias. O termo em itálico ao lado faz referência os balõezinhos de diálogos com que os heróis e vilões de HQs conversam. E é em Milão, na rua Buonarroti, 38, que essa palavrinha ganha tinta, papel e novas ideias desde 1940, quando Gian Luigi Bonelli (1908–2001) fundou a mais prolífica editora de seu setor. Apesar de muitas crises financeiras, a maioria delas ligadas ao preço do papel, e do impacto da covid-19, a Sergio Bonelli Editore segue firme na luta para preservar antigos leitores. E batalha para formar uma nova massa consumidora. Por aqui, onde seu conteúdo é editado pela já citada Mythos e pela Graphite e pela Red Dragon, essa usina milanesa de dramaturgia quadrinizada costuma ser simbolizada pelo caubói Tex, pelo Espírito da Machadinha Zagor e pelo agente do futuro Nathan Never, sendo que outros vigilantes famosos já passaram por aqui. Dylan Dog é o mais pop deles, já levado ao circuito exibidor com Rupert Everett e Brandon Routh. Mas a fama de Draka há de explodir agora. E essa explosão já tem local – o noroeste da Toscana – e data – de 28 de outubro a 1º de novembro.

É lá que acontece o fórum de coletivas Lucca Comics & Games. O evento é considerado um dos maiores festivais de reflexão sobre o papel estético e político das BDs no mundo. E é lá que a Bonelli vai badalar o filme “Dampyr”, derivado do quadrinho homônimo de Mauro Boselli e Maurizio Colombo. Nessa produção, Draka é vivido por Wade Briggs. Suas principais parcerias no combate às trevas, Tesla e Kurjak, são interpretadas por Frida Gustavsson e Stuart Martin. Em Lucca, a Bonelli vai anunciar ainda uma animação baseada em “Dragonero”, banda desenhada de Luca Enoch e Stefano Vietti.

Apesar de todas as flutuações do euro e impactos financeiros da covid-19 e até da guerra da Ucrânia, a Bonelli não deixa de surpreender seus fãs com novidades, brigando para não ser engolida pela Marvel e pela DC, que também têm seus mascarados lançados em terras italianas. Em meio às reações contra Vladimir Putin que se espalham pela Europa em reação à violência da Rússia contra as populações ucranianas, a Bonelli acaba de lançar uma série de HQs chamada “K-11”, escrita por Matteo Casali, com desenhos de Davide Gianfelice. Seu enredo recria a União Soviética dos anos 1940, a partir da saga de um jovem soldado submetido a uma bateria de experiências científicas em meio à corrida atômica anterior à bomba de Hiroshima. Outro lançamento deles é o livro ilustrado “Favole Degli Dei”, no qual Paolo Barbieri aposta em ilustrações ligadas à mitologia grega.
No site https://www.sergiobonelli.it/ é possível encontrar esses gibis à venda.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.