‘Crown Vic’: gás pro cinema policial

‘Crown Vic’: gás pro cinema policial

Rodrigo Fonseca

05 de novembro de 2019 | 19h20

Rodrigo Fonseca
Com estreia nos EUA marcada para o dia 15, amparada pela badalação que alcançou entre os críticos do Festival de Tribeca, “Crown Vic” dá uma injeção de ânimo nas veias na dramaturgia policial, apoiado na tarimba do ator Alec Baldwin como produtor. A direção é de Joel Souza. Aclamado na TV pela série “30 Rock” e na telona por longas como “Simplesmente complicado” (2009), Baldwin não atua em “Crown Vic”: ele só viabilizou os recursos para o projeto. Na trama, Thomas Jane (do cult “O nevoeiro”) vive um policial alheio às normas de conduta oficiais, Ray Mandel. Durante uma noite de patrulha com um novato, Nick (Luke Kleintank), Ray resolve se vingar dos homens que mataram seu parceiro. Mas vai desrespeitar uma série de normas para isso. “Saí das filmagens com a certeza de que devo ser mais tolerante com a polícia caso algum guarda venha a me multar no trânsito”, brincou Jane.
Encarado como um possível concorrente ao Oscar de melhor roteiro em 2020, “Crown Vic” atropela vários tabus da correção política, mas humaniza seu protagonista, relativizando a noção de heroísmo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: