Conexão Minas-Lisboa em Cannes, num festival com Lars von Trier e Dom Quixote

Conexão Minas-Lisboa em Cannes, num festival com Lars von Trier e Dom Quixote

Rodrigo Fonseca

19 Abril 2018 | 12h07

Rodrigo Fonseca
Além de homenagear Cacá Diegues pelo conjunto de sua carreira com a projeção de O Grande Circo Místico, o Festival de Cannes, cuja 71ª edição vai de 8 a 19 de maio, vai celebrar a ancestralidade indígena do Brasil a partir de uma coprodução Minas Gerais-Lisboa: Chuva e Cantoria na Aldeia dos Mortos. A direção do longa é dividida entre o aclamado cineasta português João Salaviza (Montanha) e a brasileira  Renée Nader Messora. Incluído na seção Un Certain Regard, a ser avaliado por um júri liderado por Benicio Del Toro, o filme foi rodado durante nove meses, em película 16mm e sem equipe profissional, na aldeia Pedra Branca, Terra Indígena Krahô, no Estado do Tocantins, Brasil. A filmagem foi precedida por uma longa relac?a?o de proximidade de Rene?e com o povo Kraho?, que se iniciou em 2009, aos quais se juntou posteriormente Salaviza. A produção acompanha Ihja?c, um jovem Kraho? que apo?s um encontro com o espi?rito do seu falecido pai se ve? obrigado a realizar sua festa de fim de luto. O longa foi produzido por Thiago Mace?do Correia e Ricardo Alves Jr.  através da empresa sediada em Minas Gerais Entre Filmes (responsável pela produção do excepcional longa Elon na?o Acredita na Morte) em coproduc?a?o com a Karo? Filmes em Portugal e a Material Bruto, de Sa?o Paulo, a partir de recursos do edital para filmes de baixo orc?amento (MinC/SAv/FSA). Alves Jr. e Salaviza fizeram juntos um dos melhores curtas da Berlinale de 2018: Russa.

“The Man Who Killed Don Quixote”

Provocadores profissionais, os cineastas Lars von Trier e Terry Gilliam estarão de volta à Croisette este ano, com filmes inéditos elencados para exibições hors-concours. Mal visto no balneário desde 2011, quando recebeu o título de persona non grata depois de ter feito comentários ofensivos ao povo judeu, numa brincadeira elogiosa sobre Hitler, Lars recebeu um induto estético da direção artística cannoise. Ele entra em campo com The House That Jack Built, com Matt Dillon no papel de um psicopata. Já Gilliam vai encerrar o evento com seu esperado The Man Who Killed Don Quixote, uma adaptação livre da prosa de Cervantes que levou quase 20 anos para sair do papel e envolveu um professor judicial movido por seu produtor, o português Paulo Branco.

Presidido pela atriz australiana Cate Blanchett, o júri da Palma reúne: a cantora e compositora Khadja Nin (Burundi),  duas atrizes (a francesa Léa Seydoux e a americana Kristen Stewart), a diretora Ava Duverney (EUA), os também realizadores Denis Villeneuve (Canadá), Andrey Zvyagintsev (Rússia) e Robert Guédiguian (França) e o ator chinês Chang Chen. Entre os concorrentes deste ano está o filme de abertura: Todos Lo Saben, um drama familiar do iraniano Asghar Farhadi, rodado em Madri com Penélope Cruz, Ricardo Darín e Javier Bardem. Jean-Luc Godard, Spike Lee e Nadine Labaki estão entre os concorrentes deste ano.

Uma nova leva de concorrentes à Palma de Ouro foi adicionada ao festival. Nela estão Un Couteau Dans le Cœur, de Yann Gonzalez e Vanessa Paradis; Ayka, de Sergey Dvortsevoy, e
Ahlat Agaci (The Wild Pear Tree), de Nuri Bilge Ceylan, o bamba da Turquia.

Nas seções de Meia-Noite, entraram o documentário Whitney, sobre a cantora Whitney Houston, e a sci-fi da HBO Fahrenheit 451, com Michael B. Jordan (Creed, Pantera Negra). Este pode ser “a” surpresa do ano, entre os telefilmes de língua inglesa.
Competição:
Un couteau dans le cœur (Knife + Heart), de Yann Gonzalez e Vanessa Paradis
Ayka du kazakh, de Sergey Dvortsevoy
Ahlat Agaci (The Wild Pear Tree), de Nuri Bilge Ceylan

Hors-concours
The House That Jack Built, de Lars von Trier
https://www.youtube.com/watch?v=PkRo5l8679g

Un Certain Regard
Muere, Monstruo, Muere (Meurs, monstre, meurs), de Alejandro Fadel
Chuva E Cantoria Na Aldeia Dos Mortos, de João Salaviza e Renée Nader Messora
Donbass, de Sergey Loznitsa

Séances de Minuit
Whitney, de Kevin Macdonald (documentário sobre a cantora Whitney Houston)
Fahrenheit 451, de Ramin Bahrani

Filme de encerramento
The Man Who Killed Don Quixote, de Terry Gilliam