Comédia política leva humor ao Odeon

Comédia política leva humor ao Odeon

Rodrigo Fonseca

27 de maio de 2016 | 15h53

Riso certo com

Riso certo com “Mulheres no Poder”: Dira Paes brilha

Templo cinéfilo mais tradicional do Rio de Janeiro, o Odeon, renascido há um ano como Centro Cultural Luiz Severiano Ribeiro, tem muito para rir (e para refletir) de hoje até quarta-feira que vem, sempre, às 18h, nas projeções diárias da comédia Mulheres no Poder. Sintonizado com a reciclagem do cinema político anunciada pelo recém-encerrado Festival de Cannes, com a Palma de Ouro dada a I, Daniel Blake, de Ken Loach, o segundo (e saboroso) longa-metragem de Gustavo Acioli (de Incuráveis) é uma chanchada sobre a corrupção no alto escalão do Senado. Na trama, Dira Paes brilha como Maria Pilar, uma senadora corrupta que fareja lucro na licitação de um projeto chamado Brasil Brasileiro. Após entrar em contato com a ministra Ivone Feitosa (Stella Miranda), em busca de maiores informações, Maria vai cair numa ciranda de golpes no qual a desonestidade é a única linguagem coletiva.
“Durante a preparação do filme, fiz uma grande pesquisa sobre filmes protagonizados por mulheres e verifiquei que são bem poucos. Filmes em que todo o elenco principal é composto por mulheres, então, são bem raros”, diz Acioli. “E a situação vai além: normalmente, nos filmes protagonizados por mulheres, este fato é uma questão do filme, ou seja, ser mulher é uma questão chave da personagem. Essa é uma diferença importante do meu filme. Nele, as mulheres não estão se afirmando: elas, simplesmente, já estão afirmadas”.

 

No atual cenário da neochanchada, o longa de Acioli se impõe como um diferencial cômico com sua ironia afinada.
“O humor e as situações cômicas de Mulheres no Poder nascem de dentro das situações colocadas pelo enredo do filme: não são esquetes cômicas pensadas antes de escrever o roteiro, nem são piadas recolhidas de algum arquivo e adaptadas ao filme”, explica o cineasta. “No nosso caso, o que existe é o humor da tirada, a comédia que nasce da lógica de cada personagem, da maneira que cada personagem encontra para resolver seu problema”.

Mais conteúdo sobre:

Gustavo AcioliMulheres no Poder