Ciro Guerra preside o júri da Semana da Crítica de Cannes

Ciro Guerra preside o júri da Semana da Crítica de Cannes

Rodrigo Fonseca

09 de abril de 2019 | 07h44

Sensação de Cannes em 2018, “Pássaros de Verão”, codirigido por Cristina Gallego, ampliou o prestígio de Ciro Guerra

Rodrigo Fonseca
Um dos principais concorrentes ao troféu Platino (o Oscar da latinidade, a ser entregue no dia 12 de maio, na Riviera Maya) com “Pássaros de Verão”, o diretor colombiano Ciro Guerra vai ser o presidente do júri da Semana da Crítica, na 72ª edição do Festival de Cannes (14 a 25 de maio). Realizador de “O abraço da serpente”, sensação sul-americana da Croisette em 2015, ele ainda pode concorrer à Palma de Ouro deste ano, caso finalize seu novo longa-metragem, “Waiting for the barbarians”, baseado em J. M. Coetzee e estrelado por Johnny Depp, a tempo da competição francesa. Fã de filmes brasileiros há anos, La Semaine de la Critique começa no dia 15 de maio e vai anunciar sua seleção no dia 22 de abril.

“Meu cinema busca libertar a imaginação do espectador e fazer com que ele seja capaz de interpretar as imagens à sua frente do jeito que sua invenção permitir. É a plateia quem deve colorir o filme, a partir de sua própria experiência sensível”, disse Ciro ao Estadão quando “O Abraço da Serpente” ganhou o Platino, em 2016, no Uruguai. “Minhas tramas não se limitam a um espaço real e sim a um ambiente do passado reconstituído a partir de uma experiência sensorial”.

Aos 38 anos, cineasta é o principal realizador da Colômbia hoje

Integram o corpo de jurados chefiado por Ciro a atriz anglo-francesa Amira Casar, a produtora franco-dinamarquesa Marianne Slot, a crítica congolesa Djia Mambue o cineasta italiano Jonas Carpiggiano. Estima-se que a América Latina possa figurar entre as atrações do evento.

“Nos últimos anos, há cerca de uma década, o Estado, na Colômbia,  passou a atuar de maneira mais direta no cinema o que permitiu a estreia de jovens realizadores, afoitos por uma linguagem mais dinâmica, interessada em realidades de nosso país que passaram muito tempo ocultas”, diz Ciro.

No dia 18 de abril serão anunciados os concorrentes à Palma dourada, mas dois títulos já são dados como presenças obrigatórias na disputa deste ano: “Dor e glória”, de Pedro Almodóvar, e “A hidden life”, de Terrence Malick. No dia 23 de abril, a Quinzena dos Realizadores anuncia suas atrações: seu filme de abertura será “Deerskin”, de Quentin Dupieux, com Jean Dujardin, e seu homenageado vai ser o mestre do terror John Carpenter, realizador de “Halloween” (1978) e outros cults.