Berlinale achata a disputa pelo Urso de Ouro

Berlinale achata a disputa pelo Urso de Ouro

Rodrigo Fonseca

11 de fevereiro de 2021 | 08h47

“Petite Maman”, de Céline Sciamma

RODRIGO FONSECA
Em fase de transformação diante do impasse da execução de eventos presenciais na Europa, transferindo sua competição de fevereiro para o período de 9 a 20 de junho, a Berlinale 2021 reduziu seu número de concorrentes ao Urso de Ouro – sem espaço para o Brasil na disputa – apostando em 15 (e não em 18, 19 ou 21, como eram as médias do passado). A entrada de Luiz Bolognesi e seu “A Última Floresta” entre os .docs do Panorama; de “Os Últimos Dias de Gilda”, com Karine Teles, na seção de séries; de Paula Gaitán na expressão poética “Se Hace Camino Al Andar” entre as instalações do Fórum; e da dupla Bárbara Wagner e Benjamin de Burca com a produção teuto-francesa “One Hundred Steps”, entre os curtas-metragens, demarcam a passagem do Brasil num evento que outrora transbordava brasilidade. Destacam-se entre os indicados trabalhos zero KM de Céline Sciamma (aclamada com “O Retrato de uma Jovem em Chamas”) e do onipresente Hong Sangsoo, além da estreia do ator Daniel Brühl (de “Adeus, Lênin”) na direção de longas. Esse achatamento e a falta de medalhões reflete muito do estado de coisas da indústria audiovisual: os estúdios e as plataformas de streaming temem em arriscar seus longas em vitrines competitivas via web pra evitar vazamentos e para não perder o glamour de uma possível futura execução em carne e osso, esperada para julho em diante de Cannes, Veneza e San Sebastián.
Em concurso no Berlinale Palast:
“Albatros”, de Xavier Beauvois (França)
“Bad Luck Banging or Loony Porn”, de Radu Jude (Romênia)
“Fabian – Going To The Dogs”, de Dominik Graf (Alemanha)
“Ballad of a White Cow”, de Bentsah Sanaeeha e Maryam Maghaddam (Irã)
“Wheel of Fortune and Fantasy”, de Ryusuke Hamaguchi (Japão)
“Mr. Bachmann and His Class”, documentário de Maria Speth (Alemanha)
“I’m Your Man”, de Maria Schrader (Alemanha)
“Introduction”, de Hong Sangsoo (Coreia do Sul)
“Memory Box”, de Joana Hadjuthomas e Khalil Joreige (França/ Líbano)
“Next Door”, de Daniel Brühl (Alemanha)
“Petite Maman”, de Céline Sciamma (França)
“What Do We See When We Look At The Sky?”, de Alexandre Koberidze (Alamanha/ Geórgia)
“Forest – I See You Everywhere”, de Bence Fliegauf (Hungria)
“Natural Light”, de Dénes Nagy (Hungria)
“Uma Película de Policías”, documentário de Alonso Ruizpalacios (México)

“L’Albatros”

Na seleção de filmes fora de concurso, a Berlinale Specials, a seleção feita por Mariette Rissenbeek (diretora executiva) e Carlo Chatrian (curador), também deixou o Brasil pra escanteio. Destacam-se ali uma nova dramédia com Michael Caine – “Best Seller”, de Lina Roessler -, além de dois longas indicados ao Globo de Ouro: “French Exit”, com Michelle Pfeifer, e “The Mauritanian”, com Jodie Foster e Tahar Rahim. Na safra dos .docs vai ter um longa sobre a carreira de Tina Turner nas paradas de sucesso e nas quebradas da vida: “Tina”, de Dan Lindsay e T. J. Martin.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.