Atrações imperdíveis do Varilux 2018

Atrações imperdíveis do Varilux 2018

Rodrigo Fonseca

03 Junho 2018 | 10h27

Cena de “La Nuit à Dévoré le Monde”: Varilux aposta nos filmes de gênero com filme de zumbi (aqui traduzido como ‘A Noite Devorou o Mundo”) à francesa

Rodrigo Fonseca
Cada vez mais lotado, pela qualidade de sua programação, o Festival Varilux bate à nossa porta mais uma vez, pois chega ao país nesta quinta-feira. Nossa maratona anual de longas franceses este ano vai de 7 a 20 de junho, em 63 cidades brasileiras. Há 21 atrações novinhas em folha e um clássico de 1969 (Z, de Costa-Gavras, em cópia nova) no pacote do evento. Os imperdíveis:

A Noite Devorou o Mundo: Raro exemplar do cinema francês de horror, este filme de zumbi foi dirigido por Dominique Rocher a partir da literatura de Martin Page com um timming de tensão sufocante. Durante 93 epiléticos minutos, Sam (Anders Danielsen Lie) terá de lidar com uma Paris lotada de mortos que andam, famintos por carne fresca… de gente. Seu título original é La Nuit a Dévoré Le Monde;

Custódia: Um dos achados do Festival de Veneza de 2017, este drama sobre os efeitos devastadores de uma separação sobre um homem abusivo rendeu o Leão de Prata de melhor direção para o estreante Xavier Legrand. Conquistou ainda o prêmio de júri popular em San Sebastián, na Espanha, depois da comoção que causou nas plateias ao narrar o processo de embrutecimento e loucura de Antoine (Denis Ménochet, em atuação devastadora) depois que perde a guarda integral de seus filhos. Em francês, seu título é Jusqu’à la Garde;

“O Amante Duplo”: o melhor de Ozon

O Retorno do Herói: Realizador do fenômeno O Pequeno Nicolau, Laurent Tirard faz um vaudeville apoiado no carisma de Jean Dujardin, coroado com o Oscar por O Artista (2011). Nesta novela das seis pautada pelo romance e pelo riso, o galã interpreta o capitão Neville, um militar cascateiro que deserta de seus compromissos com a guerra para se casar com uma jovem rica. Mal sabe ele que a irmã de sua noiva espalhou cartas falsas falando da morte dele em batalha;

O Amante Duplo: Melhor filme de François Ozon toujours, indicado à Palma de Ouro em 2017, este thriller com pinta de Brian De Palma será defendido no evento pelo belga Jérémie Renier, ator fetiche dos irmãos Dardenne (A Criança), virá ao Varilux para defender a estética de Ozon e conversar sobre seu personagem, o médico que cai de amores por uma paciente, Chloé (Marine Vacht), sem se dar conta do quão perturbadora é sua psiquê. Chloé é funcionária de um museu que, abalada por conflitos internos, busca a ajuda de um psiquiatra a fim de parar de somatizar (com dores de estômago) suas angústias. Suas primeiras sessões com o Dr. Paul (Renier) são ótimas até que ele se apaixona por ela. O amor é mútuo e rende um namoro feliz… até ela saber que ele tem um irmão gêmeo – ainda mais sedutor. Aí começa uma sequência de cenas de mistério com molho de Freud;

Gaugin – Viagem ao Taiti: Ignorada pelos maiores festivais do Velho Mundo, mas lançada com sucesso em seu país, vendendo 85 mil pagantes em apenas três dias, este biopic do pintor Paul Gauguin (1848-1903) revê a jornada do artista plástico pela Polinésia, em busca de uma transcendência mais radical em relação à sua condição burguesa de berço. Vincent Cassel vive Gaugin. A direção é de Edouard Deluc (do belo curta ?Dónde Está Kim Basinger?), que explora o exotismo verde a seu redor para registrar as inquietações de um artista devastado pelo desejo de liberdade e de transgressão a qualquer preço;

A Raposa Má: Talhado para plateias das mais variadas idades, Le Grand Méchant renard et autres contes” (no original) é a cota da animação neste Varilux, coroado com o César (o Oscar francês) pelo requinte de seus desenhos. Inspirado em HQs educativas de Benjamin Renner, que codirigiu o filme com Patrick Imbert, o longa narra uma peça teatral na qual um bando de bichinhos lelé da cuca encena problemas de identidade. O roteiro é diversão pura.