Apostas sobre abre-alas de Cannes mobilizam a Europa

Apostas sobre abre-alas de Cannes mobilizam a Europa

Rodrigo Fonseca

29 Março 2017 | 15h05

7a Cannes 2017

RODRIGO FONSECA
A julgar pela divulgação do pôster oficial do 70º Festival de Cannes (17 a 28 de maio), nesta quarta-feira, trazendo uma antiga imagem da atriz Claudia Cardinale dançando toda sapeca, tudo indica que nesta quinta seja revelado o filme de abertura do evento, que anunciará os concorrentes à Palma de Ouro no dia 13. Estima-se que Valerian e a Cidade dos Mil Planetas, de Luc Besson, será o abre-alas da Croisette, para valorizar a prata da casa e um dos quadrinhos mais famosos da França. Porém, há ainda torcidas organizadas em prol de Johnny Depp e seu Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar a fim de obterem a presença do Capitão Jack Sparrow no balneário. Mas pintou ainda uma terceira opção: ganhador do Oscar por O Artista (2011), Michel Hazanavicius é um potencial candidato a inaugurar Cannes com Redoutable, uma viagem ao passado do próprio cinema francês a partir de memórias (algumas inventadas; outras, não) do Jean-Luc Godard, um dos cineastas responsáveis pela revolução narrativa do audiovisual nos anos 1960.

“Valerian e a Cidade dos Mil Planetas”

Coube a Louis Garrel (de Os Sonhadores) a tarefa de interpretar o jovem Godard. Encarando por muitos como o homem mais sensual da França na atualidade, o ator e também realizador aparece calvo e usando óculos de armações e lentes grossas nos sets do filme, baseado no romance Un An Après. Sua trama revive o romance entre Godard e a jovem atriz Anne Wiazemsky (encarnada por Satcy Martin, conhecida por Ninfomaníaca). Tem papel também para Bérénice Bejo, a mulher de Hazanavicius.

Louis Garrel é Godard em

Louis Garrel vive Godard em “Redoutable”

Outra opção forte de “abre” seria Suburbicon, de George Clooney. Parceiro dos irmãos Joel e Ethan Coen em vários filmes, o galã mais politizado dos EUA dirige um roteiro assinado por seus habituais parceiros, com foco nas confusões que um crime deflagra em uma cidadezinha americana dos anos 1950. Matt Damon, Julianne Moore e Oscar Isaac estão no elenco.

Cogita-se que O Grande Circo Místico, de Carlos Diegues; As Boas Maneiras, de Juliana Rojas e Marco Dutra; Mormaço, de Marina Meliande; e Mar Verde, Terra Preta, de Renata Pinheiro e Sérgio Oliveira, possam representar o Brasil no festival, que tem Mônica Bellucci como condutora do cerimonial. O diretor espanhol Pedro Almodóvar é o presidente do júri de longas e o romeno Cristian Mungiu cuida dos curtas. E o pernambucano Kleber Mendonça Filho é quem encabeça os jurados da Semana da Crítica.