Apostas para a Berlinale 2020

Apostas para a Berlinale 2020

Rodrigo Fonseca

05 de dezembro de 2019 | 11h28

“Druk”: Mikkelsen alcoólatra

RODRIGO FONSECA
Às vésperas do anúncio do Globo de Ouro, de carona na comemoração dos selecionados por Sundance, divulgados na quarta, o cinema mundial agora saliva por notícias da Berlinale nº 70 (20 de fevereiro a 1º de março), que já acertou com Helen Mirren para ser a ganhadora do Urso de Ouro honorário de 2020. O Festival de Berlim agora sob nova direção artística: saiu Dieter Kosslick; entraram Mariette Rissenbeek e Carlo Chatrian. Dos potenciais concorrentes do evento alemão, nada se sabe ainda. Mas cogita-se a participação de longas-metragens inéditos da inglesa Sally Potter (“Molly, com Elle Fanning e Javier Bardem vivendo filha e pai em crise); do dinamarquês Thomas Vinterberg (“Druk”, no qual Mads Mikkelsen encarna um professor alcoólatra); de Naomi Kawase (com “Asa ga Kuru”, sobre uma mulher às voltas com a adoção de um bebê); e alguns falam na animação “Izzy Got the Frizzies”, a estreia do coreano Kim Ki-Duk em desenhos. Algumas previsões dão como certa a escolha do novo longa de François Ozon: “Eté 84”. Existe ainda uma hipótese de haver o português “O Lugre – Terra Nova”, de Artur Ribeiro, no certame. “The Birthday Cake”, comédia de Jimmy Giannopoulos, com Ewan McGregor e Val Kilmer, pode iniciar sua carreira no Berlinale Palast, assim como . Cassandras de plantão lembram de Sean Durkin e seu “The Nest” (com Jude Law) e da espanhola Isabel Coixet, que está preparando “It snows in Benidorm”. Porém, o nome mais citado foi o de Gianfranco Rosi. Seu “Notturno” é tratado como atração garantida para as telas alemãs. Queridinha do evento, a polonesa Agnieszka Holland deve retornar a campo com “Charlatan”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: