Any Malu, estrela assim na tela como no Céu

Any Malu, estrela assim na tela como no Céu

Rodrigo Fonseca

01 de maio de 2020 | 12h53

Rodrigo Fonseca – #FiqueEmCasa
Perseverança, seu nome é Any Malu: rainha do YouTube, nascida com nome de nobre – Anita Maria de Lourdes Orleans e Bragança – sob o signo de Unicórnio, a primeira Digital Influencer dos desenhos animados do Brasil, estreia nesta segunda-feira, em meio à 40ena, um programa para chamar de seu no Cartoon Network. E saca o luxo: é horário nobre de segunda a sexta, sempre às 20h, com episódios novos todos os dias. No “Any Malu Show”, a serelepe “chófem” – que soma 2,8 milhões de inscritos em seu canal no YouTube e tira onda por contabilizar quase meio milhão de seguidores no Instagram – vai comandar quadros como Top 10, Bad Coach, Cartoon Musical Talents, Reactoon, Forum Cartoon e Cartoon Chef. Em sua lista de convidados estão: Princesa Caroço, Darwin, Gumball, Mordecai, Rigby, Ben 10 e Meninas Super Poderosas. Felicidade não falta a seu pai, Marcelo Pereira, um dos fundadores e diretor executivo do Combo Estúdio, produtora de animação criada em 2015, que tem em seu portfólio a série original Netflix “Super Drags”. Na esteira do êxito da personagem, o Combo bolou “O (sur)real Mundo de Any Malu”.
“Estamos muito acostumados com o público da Any Malu no Youtube e nas redes sociais e sabemos exatamente do que eles gostam e o que esperam do programa”, conta Pereira ao P de Pop. “Quando começamos a desenvolver a série para a TV, ficamos preocupados pois sabíamos que a audiência seria diferente da que estamos acostumados na internet. Pesquisamos e trabalhamos muito para conquistar o novo público com o carisma e personalidade da Any Malu alinhados a um novo formato, com vários personagens do Cartoon Network interagindo no Show. Vai ser uma série que os fãs do canal do Youtube vão amar e que funcionará perfeitamente dentro da grade do CN, agradando aos fãs do canal”.

No Cartoon, a aposta no sucesso do “Any Malu Show” é das mais altas, como atesta Adriana Alcântara, diretora sênior de conteúdo e produção nacional da emissora. “O Cartoon Network não é apenas um canal de TV Paga para crianças há alguns anos. Somos uma marca multiplataforma com vários pontos de contato com os fãs, que podem ser crianças e adultos. E a Any Malu chega em nosso ecossistema justamente como um entretenimento para toda família, alcançando nosso fã em diversas plataformas com uma estratégia de conteúdo refinada”, diz Adriana. “Any Malu é irreverente, jovem e o novo programa não poderia deixar de ter esse caldo de cultura pop, inclusive com referências, brincadeiras e memes da internet. Esse é um projeto novo e completamente diferente de tudo o que já fizemos, mas que tem total sinergia com o DNA do canal. Trabalhamos de forma intensa para otimizar todas as frentes em que contaremos esta história. Será uma experiência incrível para os fãs de AnyMalu, do Cartoon Network e para as equipes ver como tudo isso vai divertir nossa audiência”.

Na prática (quer dizer, na ficção), Any Malu é uma moleca de 18 anos, embora tenha nascido no dia 12 de agosto de 2015 em Pato Brabo, a Cidade dos Desenhos, onde descongelou o castelo do Rei Gelado, acabou com os abacates da Vovó Juju e até explodiu a van do Titio Avô. No mundo da gente, de carne, osso e barriguinha pochete, onde ganha a voz melíflua da atriz Natali Pazete (que tem um histórico de trabalho brilhante dublando Lily James), AM é uma celebridade tamanho GG. Leitor fiel deste blog e habitante da grade do CN desde que nasceu, em 2013, o estudante e aspirante a crítico de cinema Thalles Fernandes, com a sabedoria arguta de seus 6 anos, afirma, como bom nietzschiano que é: “Não saio de casa pra ir pra escola ou pra aula de zumba sem a Any Malu porque ela me faz rir e me dá um monte de boa ideia pra eu conversar com a minha mãe. É Deus no Céu, mamãe e meu papai na Terra e Any Malu na tela. Ela e o Batman”, vaticina Thalles.

Com o prestígio galopante, Any Malu topou dar uma entrevista ao Estadão. Ei-la:
Como é virar estrela, ainda tão novinha, e ajudar uma legião de espectadores a redescobrir o prazer da animação?
Any Malu: Gente, não tô acostumada com tanto elogio assim, não! Estrela… Legião de espectadores… E ainda me chama de novinha! Assim, depois de muito tempo trabalhando no Youtube, o Cartoon Network finalmente me notou e ligaram, desesperados, querendo minha presença no canal. Fiquei feliz que depois de 4 anos deixando recados na caixa postal deles realizei um sonho de ser contratada. Agora é só alegria e trabalhar muito pois gastei todo o cachê do Cartoon em dois dias… (meu primeiro pagamento, não me julguem!). Tenho certeza que todo mundo vai amar o meu Show! Tem a participação de todos os personagens que toparam participar do Cartoon! Então espero todo mundo ligado no Cartoon Network a partir de segunda-feira, às 20:00!!!
Qual é o seu desenho favorito?
Any Malu: Eu seria muito metida se dissesse Any Malu Show. Mas também seria mentira se eu dissesse outro. Gumball.

Todo coruja acerca do sucesso de sua pimpolha, o supracitado Marcelo Pereira diz que o maior desafio para se fazer um programa como “Any Malu Show” hoje, no país, é encontrar profissionais experientes. “Com a redução de investimento do setor, boa parte desses profissionais foi morar em outros países. Temos uma equipe excelente e estamos investindo pesado em aprendizado, desenvolvendo cursos internos e externos, justamente para suprir essa demanda”, diz Pereira. “A parceria com o Cartoon Network tem sido fundamental e permitiu que tivéssemos bastante trabalho nesse atual momento delicado”.

p.s.: Uma vez que o assunto aqui é animação, vale lembrar que o projeto francófono de troca audiovisual www.festivalvariluxemcasa.com.br também aposta em desenhos, usando a plataforma digital de projeção Looke como escoadouro. Lá estão disponíveis seis longas franceses animados, em cópias dubladas, para as crianças assistirem sozinhas ou com a família: “Abril e o Mundo Extraordinário”; (o formidável) “A Raposa Má”; “O Menino da Floresta”; “Asterix e o Domínio de Deuses”; “Asterix e a Poção Mágica” e “Um Gato em Paris”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: