Ano Novo nas asas do Abutre Michael Keaton

Ano Novo nas asas do Abutre Michael Keaton

Rodrigo Fonseca

04 de janeiro de 2021 | 12h30

Aos 69 anos, Michael Keaton vai assombrar a TV aberta esta noite à frente de “Spider-Man: Homecoming”: às 22h45 na Globo

Rodrigo Fonseca
Em negociações para retornar ao papel de Bruce Wayne/ Batman em “The Flash”, ao lado de Ezra Miller, Michael John Douglas Keaton vai completar 70 anos em setembro, cercado de projetos, entre eles uma minissérie no Hulu (“Dopesick”) e um thriller de ação pilotado por Martin Campbell (“The Asset”). Ele ainda será visto em “Morbius”, filme de vampiro da Marvel, com Jared Leto, no qual deve retomar a figura do vilão Abutre, que encarnou em “Homem-Aranha: De Volta Ao Lar” (2017), atração desta noite, às 22h45, na TV Globo, no Festival Ano Novo. Orçado em US$ 175 milhões, o longa-metragem de Jon Watts (de “A Viatura”) faturou US$ 880 milhões, tendo o inglês Tom Holland como Peter Parker. Um dos pilares de renovação da dublagem nacional, Wirley Contaifer faz a voz de Holland na versão brasileira. Ele contracena com um dublador lendário, Garcia Júnior, que encarna com excelência o timbre intimidador da voz de Keaton. Esta releitura dos feitos do Aranha faz jus à trilogia de Sam Raimi, mas sem apostar no épico. Na trama, os dejetos das batalhas dos Vingadores com invasores estelares são aproveitados por um operário e inventor, Adrian Toomes (Keaton), como armas para os assaltos que ele comete com a desculpa de sustentar a filha, Liz (Laura Harrier). Esta é o objeto do desejo do jovem Parker, que ajudou o Homem de Ferro (Robert Downey Jr.) em uma missão europeia retratada em “Capitão América: Guerra Civil” (2016). Agora, o herói vai construir seu legado próprio, num combate contra a ave de rapina encarnada por Keaton. Vale lembrar que este, laureado com o Globo de Ouro por “Birdman” (2014), dirigiu um filmaço, há 13 anos: o thriller “Má Companhia” (“The Merry Gentleman”). Taí um longa que merecia ser revisitado.

p.s.: Ganhador do Prêmio da Crítica no Festival de Cannes de 1984, “Memórias do Cárcere”, de Nelson Pereira dos Santos (1928-2018), está na grade do Globplay, revivendo a saga de Graciliano Ramos (1892-1953) atrás das grades. Carlos Vereza vive o escritor.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: