Ano novo com Kusturica

Ano novo com Kusturica

Rodrigo Fonseca

28 de dezembro de 2015 | 12h32

Kusturica com Monica Bellucci no making of de

Emir Kusturica com Monica Bellucci no making of de “On The Milky Road”, nova ficção do cineasta sérvio

Neste momento de retrospectivas, dizem que dá sorte olhar para o futuro e antecipar o que pode vir de melhor ao longo do ano que vai nascer, e, sob essa lógica, surge à nossa frente uma certeza de potência estética (e uma grande alegria) com dois fatos ligados ao mestre sérvio Emir Kusturica. Se você não o conhece: trata-se de um dos poucos cineastas deste planeta a ter conquistado duas Palmas de Ouro no Festival de Cannes, uma por Quando Papai Saiu em Viagem de Negócios (1985) e outra pelo genial Undreground – Mentiras de Guerra (1995). A primeira boa nova: depois de um hiato de quase nove anos, ele volta à direção de longas-metragens de ficção com On The Milky Road, no qual dirige e atua, contracenando com Monica Bellucci. A segunda novidade: no dia 6 de janeiro começa no Rio, na Caixa Cultural, a Mostra Kusturica, que traz entre suas atrações um longa do realizador ainda inédito em circuito no Brasil Promessas (Promise Me This, 2007). A curadoria do festival, que vai até 17 de janeiro, é da cineasta Fernanda Teixeira, que assegurou a projeção de sucessos como Gato Preto, Gato Branco (1998) e o documentário Maradona (2008), sobre o craque argentino. A promessa do evento é de ser a maior retrospectiva da obra de Kusturica na América Latina, com a exibição de 13 filmes (oito em cópias raras 35mm e cinco digitais): os 10 longas rodados por ele, dois filmes dele como ator e um documentário sobre sua carreira e pessoa.

“Gosto de quem age como rockstar, avesso às normas”, disse o cineasta em uma entrevista de 2007, lembrando que porcos, galinhas, cães e jumentos têm, em seus filmes, tanto valor quanto seres humanos. “O cinema ainda é a única atividade em que o corpo e a mente conseguem viajar juntos, ao mesmo tempo, para outras dimensões e escapar da realidade e seus horrores. Assistir a um bom filme é uma catarse”.

Cena de

Cena de “Promessas” (2007), inédito no Brasil

p.s.: Que boca a boca favorável anda rondando Macbeth: Ambição e Guerra, de Justin Kurzel, no circuito exibidor brasileiro, valorizando sobremaneira a atuação de Michael Fassbender. O filme atualiza o texto do bardo para estes tempos de Game of Thrones, com ação e tensão sem deixar esfriar a tensão política da trama.

Michael Fassbender é o guerreiro de Shakespeare

Michael Fassbender é o guerreiro de Shakespeare

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.