‘Alcarràs’ da Espanha ganha o Urso de Ouro

‘Alcarràs’ da Espanha ganha o Urso de Ouro

Rodrigo Fonseca

16 de fevereiro de 2022 | 16h30

Cena de “Alcarràs”, filme espanhol sobre uma família que vive da colheita de pêssegos

RODRIGO FONSECA
Deu Brasil nos momentos finais da Berlinale 2022, que antes de anunciar a conquista do Urso de Ouro de 2022 pela espanhola Carla Simón com seu “Alcarràs”, divulgou a vitória do curta-metragem carioca “Manhã de Domingo”, de Bruno Ribeiro. Exibido em janeiro na Mostra de Tiradentes, a produção expõe um processo de reencontro de sua protagonista, Gabriela (vivida pela pianista Raquel Paixão), com sua paz interior, numa reconciliação entre Passado e Presente a partir de uma entrega da moça ao piano. O troféu prateado de melhor direção foi para a veterana Claire Denis em “Avec Amour et Acharnement”, delicadíssimo estudo sobre uma desagregação de casal à sombra da covid-19. Entre os 18 concorrentes ao Urso, o mais premiado foi o alemão “Rabiye Kurnaz vs. George W. Bush”, de Andreas Dresen, que recebeu as láureas de melhor roteiro e interpretação, dado à atriz Meltem Kaptan. Apesar de seu academicismo, essa mistura de “Que Horas Ela Volta?” (2015) com “Erin Brokovich” (2000) arrebata o público e atesta a força do cinema alemão, num misto de drama e thriller judicial. Sua personagem principal, a devotada mãe Rabiye, é um achado. De origem turca, ela revira o governo alemão de baixo pra cima a fim de buscar a ajuda necessária para libertar seu filho de Guantanamo, onde foi preso injustamente logo após o 11 de Setembro.

Sobre “Alcarràs”:
Numa suarenta paisagem catalã, a diretora de “Verão 1993” (2017) reúne pessoas de diferentes cidadezinhas ibéricas, colhidas em festas locais, e as treina para atuar, de modo a transformá-las em intérpretes de peso. A partir do treinamento operacionalizado, Carla cria uma ficção, sobre uma família que vive do cultivo de pêssegos.

OS VENCEDORES DA BERLINALE 2022
Urso de Ouro: “Alcarràs”, de Carla Simón
Grande Prêmio do Júri: “The Novelist’s Film”, de Hong Sangsoo
Prêmio do Júri: “Robe of Gems”, de Natalia López Gallardo
Direção: Claire Denis, por “Avec Amour et Acharnement”
Roteiro: Laila Stieler, por “Rabiye Kurnaz vs. George W. Bush”
Interpretação: Meltem Kaptan, por “Rabiye Kurnaz vs. George W. Bush”)
Coadjuvante: Laura Basuki, por “Nana”
Contribuição Artística: Rithy Pahn, pela concepção artística de “Everything Will Be Ok”
Menção Especial: “A Piece of Sky” (“Drii Winter”), de Michael Koch
Melhor documentário: “The Myanmar Diaries”, de um coletivo de cineastas, com menção honrosa para “No U-Turn”, de Ike Nnaebue
Filme de Estreia: “Sonne”, de Kurdwin Ayub
Melhor Curta-Metragem da Berlinale Shorts: “Trap”, de Anastasia Veber (Rússia)
Prêmio do Júri Berlinale Shorts: “Manhã de Domingo”, de Bruno Ribeiro (Brasil)
Mostra Encounters
Melhor filme: “Mutzenbacher”, de Ruth Beckermann
Direção: Cyril Schäublin, por “Unrest”
Prêmio especial do júri: “À Vendredi, Robinson”, de Mitra Farahani

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.