Affleck nas contas da reinvenção

Affleck nas contas da reinvenção

Rodrigo Fonseca

03 de outubro de 2021 | 12h11

RODRIGO FONSECA
Astro da dramédia “The Tender Bar”, o novo (e esperado) longa-metragem de George Clooney, Ben Affleck está vivendo um momento de redenção em sua carreira como ator, recuperando todo o prestígio de que desfrutou no fim dos anos 1990, até ser afogado num mar de fofocas e se reinventar como realizador. Esta noite, às 23h25, ele vai emprestar seu brilho ao “Domingo Maior”. Ele é o protagonista do feérico thriller “O Contador” (“The Accountant”, 2016), atração da Globo para abrir a semana com a adrenalina em alta. Na versão brasileira desta produção de US$ 44 milhões, cujo faturamento beirou US$ 155 milhões, Jorge Lucas dubla Affleck, em um de seus melhores desempenhos. Sob a direção do nova-iorquino Gavin O’Connor (de “Guerreiro”), o astro vive Christian Wolff, um contador com grande sensibilidade a ruídos e ao convívio social, com sinais de autismo. Apesar da oferta de ir para uma clínica voltada para crianças especiais, seu pai insiste que ele permaneça morando em casa, de forma a se habituar com o mundo que o rodeia. Ao crescer, Christian se torna um ás da contabilidade, extremamente dedicado, graças à facilidade que tem com números. Operando em um escritório de contabilidade, instalado em uma pequena cidade, ele passa a trabalhar para algumas das mais perigosas organizações criminosas do mundo, sem revelar a elas os múltiplos dotes guerreiros que tem. Ao ser contratado para vistoriar os livros contábeis da Living Robotics, Wolff logo descobre uma fraude de dezenas de milhões de dólares, o que coloca em risco sua vida e da colega de trabalho Dana Cummings, vivida por Anna Kendrick.
A parte dois do longa já está mais do que encomendada.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.