A distópica luz de Casey Affleck

A distópica luz de Casey Affleck

Rodrigo Fonseca

16 de outubro de 2019 | 12h21


RODRIGO FONSECA
Dez anos depois de sua estreia na direção, com o mockumentário “Eu ainda estou aqui” (2010), sobre seu amigo Joaquin Phoenix (o atual Coringa), Casey Affleck volta a lançar um filme como realizador, agora de ficção, comprovando o quão vasta é sua potência narrativa: “A luz do fim do mundo”. Tristíssimo, o longa-metragem, batizado originalmente de “Light of life”, estreia nesta quinta-feira no Brasil, após conquistar elogios na Berlinale, em Karlovy Vary e em San Sebastián, festivais europeus que se surpreenderam com a ousadia do oscarizado (e polêmico) astro de “Manchester à beira-mar” (2016) como realizador. Considerado um dos melhores atores americanos de sua geração, ele atua e dirige esta pequena produção em tons de distopia. Em sua trama, ambientada em um futuro próximo, todas as mulheres estão morrendo em decorrência de uma epidemia misteriosa. Sobra uma menina, Rag – vivida por Anna Pniowsky – que pode ser a única resistência da raça humana para o futuro. O pai da garota fará de tudo para resguardar seu amanhã.
“Anna me trouxe a confiança de que eu, diretor estreante na ficção, precisava para construir uma metáfora sobre as desatenções nossas sobre o que se passa no mundo à nossa volta. E ainda resolvi embarcar nessa atuando”, disse Affleck ao Estadão P de Pop, em Berlim.

No enredo que escreveu e dirigiu, o irmão mais novo do galã Ben Affleck (que viveu o Batman, em 2016 e 17) vive um pai em luta para proteger Rag da moléstia que faz os códigos do feminino desaparecerem gradualmente da Terra, num futuro apocalíptico.
“Eu não sei julgar se minha história é feminista, mas há uma mulher jovem que se empodera e resiste. Tem um pouco de horror no filme. Tem um quê de filme apocalipse, algo de que sou fã. Mas há uma história sobre família”, explica o ator e cineasta, que volta às telas este ano em “The Friend”, de Gabriela Cowperthwaite. “Fiz muitos filmes, atuando, onde havia coisa demais em cena… cenários enormes… pilhas de figurantes. Acabei dirigindo um filme onde há o mínimo. A força vem do meu elenco”.

Tendências:

  • Stan Lee: todas as 29 aparições nos filmes da Marvel
  • Projeta Brasil do Cinemark apresenta filmes brasileiros por apenas R$ 4
  • Glória Maria faz cirurgia para remover lesão cerebral e passa bem
  • MIS abre novo lote para exposição imersiva de Da Vinci 
  • Mônica San Galo lamenta morte de Jesus Sangalo: 'pode-se morrer de mágoa'