’12 Hour Shift’, o 1º achado de Tribeca

’12 Hour Shift’, o 1º achado de Tribeca

Rodrigo Fonseca

17 de abril de 2020 | 15h37

Rodrigo Fonseca #FiqueEmCasa
Diante da 40ena, Tribeca não teve outra alternativa que não adiar a realização física de seu festival anual, em Nova York, que contará (ainda) com o novo longa-metragem de Judd Apatow, “The King of Staten Island”. Contudo, boa parte da programação vai ter uma exibição online, honrado a data previamente agendada (15 a 26 de abril), no site do evento: https://tribecafilm.com/festival. Lá já há uma joia esperando para ser apreciada: “12 Hour Shift”, da diretora Brea Grant (“Lucky”). Com um delicioso aroma de Irmãos Coen, esta comédia de erros é produzida por David Arquette (de “Pânico”), que integra o elenco. Mas quem faz a roda girar é a atriz Angela Bettis, num desempenho digno de aplausos (e de prêmios) como a enfermeira Mandy, uma profissional da Saúde viciada em morfina. Em meio a um mercado clandestino de roubo e tráfico de órgãos, ela vai ajudar uma prima pipa voada, Regina (Chloe Farnworth), a conseguir um rim para vender. O roteiro é uma sucessão de viradas, centrado no empenho de Mandy em resolver a encrenca trazida por Regina. Tem algo de “Procura-se Susan Desesperadamente” (1985), de Susan Seidelman, no enredo também. Da programação, vale um relevo o curta-metragem “Abducted”, de Ben Joyner, sobre uma mulher raptada em meio a um encontro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: