Prazer, Larissa
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Prazer, Larissa

Murilo Busolin Rodrigues

18 de dezembro de 2020 | 19h18

Após uma primeira temporada um tanto plástica e nos moldes de um comercial de margarina, Anitta: Made In Honório chegou à Netflix na última semana com o objetivo de escancarar a intimidade e incontáveis qualidades e defeitos da maior artista pop nacional dos últimos anos.

Já no início, Larissa de Macedo Machado revela, aos prantos, que criou seu nome artístico após um estupro sofrido aos 14 anos. “Faz pouco tempo que parei de achar que é culpa minha”, afirmou, trêmula – e nós sabemos que ela, infelizmente, não é a única que já se sentiu assim diante de tal trauma.

Uma imagem resume Anitta mais do que mil palavras. FOTO: Netflix/Reprodução

São vários momentos nos seis episódios da produção em que é possível se identificar com Anitta. Por quê? Ela tem o DNA do jeitinho brasileiro, da persistência e da insistência – e isso é muito atrativo. É entretenimento.

É inegável que, aos 27 anos, ela seja uma das maiores representações de que o jovem brasileiro pode e deve dar certo. Um dos trunfos da série é mostrar, sem filtros, que a Larissa lá de trás conquistou o sonho básico de muitos brasileiros: uma carreira de sucesso e uma boa vida para ela e sua família.

Anitta, que coleciona o mesmo número de sucessos quanto de desentendimentos no mundo pop, fica do lado de fora de sua casa, e a Larissa continua dentro, sendo acolhida por quem sempre lhe deu apoio (ao mesmo tempo em que é tachada de chata pelos mesmos – na brincadeira, claro).

É exatamente esse elo humano e inquebrável que faz com que Anitta, que está prestes a completar dez anos de carreira, se mantenha interessante, ano após ano.

‘Made in Honório’ é tudo o que esperávamos do ‘Vai, Malandra’. Real. FOTO: Netflix/Reprodução

Os motivos que abastecem o interesse em seu nome são diversos, seja cantando em palcos nacionais ou internacionais, seja respondendo um hater qualquer em seu Instagram e virando manchete de jornal, fechando parcerias com gigantes da música, expondo ameaças de jornalista ou se desculpando por uma posição que lhe foi cobrada por conta de seu enorme status.

Virou hobby do internauta brasileiro tecer críticas sobre Larissa, mas ela, como uma inquieta e explosiva business woman, oferece pautas e mais pautas para que isso aconteça, e as consequências são mostradas na edição de Made in Honório.

Para que tudo aconteça de maneira impecável, as facetas mais cruas e realistas da hitmaker são expostas em exaustão.  Anitta descreve suas experiências sexuais na mesma intensidade da sua obsessão para atingir novos patamares na arte e no negócio. E ela sempre consegue.

A série documental é sustentada por cenas do megashow que ela fez em Honório Gurgel (RJ), onde tudo começou, utilizando a mesma estrutura com que ela se apresentou no Rock in Rio em 2019.

Emoção a flor da pele quando a cantora vê, com brilho nos olhos, a multidão enlouquecida em seu antigo bairro. Que venham mais Larissas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.