Kanye finalmente lançou ‘DONDA’, mas ainda dá para separar o artista de sua obra?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Kanye finalmente lançou ‘DONDA’, mas ainda dá para separar o artista de sua obra?

Murilo Busolin Rodrigues

28 de agosto de 2021 | 22h00

Um dos maiores rappers da história. É dessa maneira que eu e meio mundo podemos classificar Kanye West, sem pestanejar.

Como é de praxe para qualquer pessoa comumente chamada de gênio, o artista sempre teve a sua carreira rodeada por polêmicas, mas nada que conseguisse abalar ou sobressair o seu trabalho na música. Até agora.

Eu te pergunto: dá para separar um artista de sua obra? A minha resposta é que até dá, mas é cansativo. É difícil desvincular uma atrocidade dita por uma pessoa que você admira e consome. Com o passar do tempo você decide se ainda dá para relevar ou não. Eu relevei o caso de Senhor West até este ano.

No fim de julho, o bilionário cantor publicou em sua conta no Instagram o novo comercial dos fones Beats By Dre. A atleta Sha’Carri Richardson estrela o vídeo ao som de No Child Left Behind, faixa inédita que vai estar presente no novo álbum do rapper. A data de lançamento de DONDA (nome de sua falecida mãe) foi anunciada e as expectativas para o 10º trabalho de estúdio do artista subiram no telhado.

A primeira audição ao vivo do álbum foi feita em 23 de julho, no Mercedez Benz Stadium, em Atlanta, e um streaming ao vivo da Apple Music mostrava as 40 mil pessoas que acompanhavam as 12 novas canções.

Kanye West se destaca no centro do estádio durante a primeira audição do ‘DONDA’, ainda sem previsão de lançamento. FOTO: Apple Music

Kanye não cantou, apenas se empolgou durante a transmissão das faixas, levantou aplausos e chorou. Os destaques ficaram entre as diversas menções ao seu recém-terminado casamento com Kim Kardashian, até a participação de seu antigo amigo Jay-Z em Guess Who’s Going to Jail Tonight?.

Afinal, a relação de irmandade (que resultou no aclamado disco em conjunto Watch The Throne) teria superado a fase estremecida. A internet, claro, pirou.

Mas e o disco? Sem rastros em qualquer plataforma. Uma segunda audição foi anunciada para 5 de agosto. Percebemos alguns pequenos ajustes nas músicas, nada muito relevante. Duas audições se passaram e nada do lançamento.

Na quinta, 26, uma terceira e exaustiva audição foi feita, dessa vez em Chicago, no estádio Soldier Field. Demorou, mas Kanye conseguiu me cansar.

Com mais uma aula de marketing revestida de superprodução para tocar as suas novas músicas, o artista fez uma réplica da casa de sua mãe no centro do estádio e chamou Marilyn Manson e o rapper DaBaby como seus “ilustres” convidados.

Onde estiver, aposto que Donda revirou os olhos. Fiz o mesmo.

Kanye, Marilyn Manson e DaBaby. Quem pediu? Absolutamente ninguém. FOTO: Brian Prahl/MEGA

O roqueiro americano dono do hit The Beautiful People está sendo investigado pela polícia de Los Angeles por acusações de violência doméstica, abuso e estupro. Sabe o verso cantado por Jay-Z em 23 de julho? Foi trocado por um novo, de DaBaby.

Nas últimas semanas, o rapper chegou a ser retirado das apresentações do Lollapalooza (EUA) após comentários homofóbicos, além de disseminar falsas informações sobre a aids.

Para completar o ato, Kim Kardashian encerrou o evento ao caminhar vestida de noiva até encarar West cara a cara, que esboçou um raro sorriso ao vê-la sem o véu. Pela 1ª vez, a estratégia de Kanye atirou no pé de sua própria arte.

Não há justificativa sensata para os convidados, ainda não há disco e não há mais paciência para acompanhar o show business criado.

A aparição surpresa de Kim Kardashian levantou as suspeitas de que tenham reatado o casamento. FOTO: Apple Music/Divulgação

Para efeito de recordação, além de ter escancarado seu apoio a Donald Trump na presidência dos EUA – sendo um de seus atos públicos mais criticados –, em entrevista ao TMZ (2018), Kanye chamou a escravidão de negros de “opção”.

O que é hoje em dia considerado um dos atos mais marcantes da cultura pop, West invadiu o palco do VMAs (2009) durante a vitória de Taylor Swift em ‘Melhor Vídeo Feminino’, para defender a produção de Beyoncé, Single Ladies (Put A Ring On It), e, anos depois, brigou com a própria e seu marido Jay-Z, afirmando que o casal possui “matadores de aluguel”.

A lista é gigantesca e inclui uma inesquecível foto publicada no Twitter, na qual West urina em um de seus prêmios Grammy. Há 3 anos, o rapper falou pela primeira vez sobre seu transtorno de bipolaridade e ironizou a sua condição na capa do disco ye.

O encarte mostra um cenário de montanhas, onde se lê “I hate being bi-polar, it’s awesome” (Eu odeio ser bipolar, é o máximo).

Continuo achando Kanye um artista de talento indiscutível, defendo a ideia de que não devemos justificar os picos de sua doença com seus quase indefensáveis atos, mas eu, como fã, não tenho mais energia para separar o artista da obra.

ATUALIZAÇÃO (domingo, 11h41):

Por ironia do destino e sem qualquer aviso prévio, o álbum DONDA foi lançado em todas as plataformas de streaming às 9h deste domingo, 29.

São 27 faixas no total (1 hora e 48 minutos de duração), mas uma ainda não foi disponibilizada. A música JAIL chegou com ambos os versos de Jay-Z e DaBaby. A produção parece estar finalizada, mas se tratando de Kanye West eu ouviria o quanto antes, ele já chegou a lançar e retirar seus últimos trabalhos por caprichos.

Ah, e sim, o disco está incrível.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.