Boa noite, Arabella
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Boa noite, Arabella

Murilo Busolin Rodrigues

18 de julho de 2020 | 14h00

Michaela Coel, anote esse nome. A roteirista, diretora, produtora e atriz ficou conhecida por ser a protagonista na ótima série Chewing Gum (Netflix), e agora recebe uma nova onda de elogios e aclamação por I May Destroy You (HBO). Um trauma pessoal transformado em uma produção de brilhar os olhos. Arte.

A série é baseada na vida de Arabella, uma millennial londrina de sucesso que se tornou escritora best-seller após o sucesso estrondoso de seus tweets.

Série I May Destroy You está disponível na HBO

Prestes a encerrar os últimos capítulos de sua nova obra, Bella, que está sendo pressionada por seus agentes, se vê presa em um bloqueio criativo e decide então tirar uma hora para sair com alguns amigos – diversão essa que ultrapassa os 60 minutos, incluindo muitos shots e cocaína.

Em flashs fragmentados durante todos os episódios, Arabella descobre que drogaram sua bebida e que a estupraram enquanto estava inconsciente. Vítima do que é popularmente conhecido como Boa noite, Cinderela.

Na base de um roteiro aguçado para ninguém botar defeito, Bella, ao lado de seus amigos Terry Pratchard e Kwame (que também sofre abuso sexual após um encontro em aplicativo), passa a questionar tudo e todos em sua volta após o ocorrido.

Michaela Coel afirmou em entrevistas que o início da produção foi totalmente inspirado em uma infeliz experiência pessoal. Coel escrevia incansavelmente por mais de 40 horas para a já cancelada Chewing Gum e decidiu tomar alguns drinques com um amigo. Quando voltou para sua mesa de trabalho, teve flashs com um homem desconhecido, ao mesmo estilo do que ocorreu com Arabella.

A roteirista afirmou que tentou vender o projeto para a Netflix, mas que, no acordo proposto, ela não teria direito algum sobre a obra. Ela procurou a BBC, que não pensou duas vezes em conceder total liberdade criativa e os direitos autorais para que a produção autobiográfica fosse realizada da maneira que Michaela desejasse.

Apesar de tratar de um tema denso, a série é construída de maneira fascinante, e prende facilmente ao longo dos 30 minutos de cada episódio, sem deixar o clima pesado. As diversas formas de abuso sexual são retratadas e discutidas em cenas e diálogos tão reais e naturais que poderiam acontecer (e acontecem) no meu, no seu, no nosso cotidiano.

Preciso ressaltar que a série aprofunda a mesma densidade no universo LGBTQIA+, onde a prática dos abusos é constante e pouco retratada em grandiosas produções.

A hipersexualização da mulher negra, a trilha sonora para lá de eclética e a retratação perfeita do tom irônico com que os millennials lidam com a vida adulta são alguns dos outros pontos de destaque do drama, que recebe várias pinceladas de humor ao longo dos 12 episódios.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.