A corrida das vacinas: o que esperar do novo doc do GloboPlay
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A corrida das vacinas: o que esperar do novo doc do GloboPlay

Murilo Busolin Rodrigues

17 de abril de 2021 | 20h00

Digito esse texto ao mesmo tempo em que esvazio meia caneca de café e cravo os olhos no topo do site do Estadão. É dia 15 de abril de 2021, às 13h40.

‘Anvisa apura denúncias de frascos de vacina com doses a menos; Butantan alega falha’. Essa é a principal notícia a nível nacional sobre o coronavírus na tarde desta quinta e, infelizmente, mais uma atualização desanimadora.

Enquanto a vacinação continua em passos lentos no Brasil, protestos contrários à imunização e as medidas do governador João Doria, ganham mais proporção. FOTO: Reprodução/ GloboPlay

A imunização contra o novo coronavírus ainda caminha a passos de tartaruga em nosso País. Mas o que aconteceu para o Brasil lidar da pior maneira possível com a pandemia?

A resposta para essa pergunta é exposta nos mínimos detalhes na nova série documental do GloboPlay, A Corrida das Vacinas.

O registro histórico ‘A Corrida das Vacinas’ é dividido em 5 episódios. Dois já estão disponíveis no GloboPlay e o novos sairão nas próximas quintas-feiras. FOTO: Reprodução / GloboPlay

Sob a direção do jornalista Álvaro Pereira Júnior, a produção é baseada nos bastidores da criação, em tempo recorde, das vacinas contra a covid-19.

O repórter percorre os centros de pesquisa do Brasil à Índia e Rússia, onde cientistas trabalham com a mais alta tecnologia para garantir a imunização do mundo todo.

Nos dois episódios já disponíveis (serão cinco no total, um novo a cada quinta-feira), é perceptível que a guerra política é a grande protagonista da atual e grave situação que enfrentamos em 2021.

As declarações polêmicas do presidente Jair Bolsonaro a respeito da imunização recheiam o amargo sabor do documentário.

O documentário amarra todas as declarações de Jair Bolsonaro diminuindo a gravidade da pandemia, enquanto cientistas do mundo todo trabalham para produzir vacinas eficazes contra o coronavírus. FOTO: Reprodução/GloboPlay

O governador de São Paulo, João Doria, também tem seus momentos de destaque. Seu embate com Bolsonaro vira uma espécie de corrida contra o tempo para conseguir a liberação da Coronavac, chamada pelo presidente de “vacina chinesa do Doria”.

A vacina, desenvolvida pelo Instituto Butantan com insumos importados da China, garantiu, até então, a imunização de mais de 25 milhões de brasileiros, ao lado do imunizante de Oxford/AstraZeneca.

Com intenções futuras ou não, sai ganhando quem se preocupa com a população.

O governador João Doria participa da série através de declarações para a mídia, áudios ‘vazados’ de uma reunião e por meio de uma entrevista. FOTO: Reprodução/GloboPlay

Apesar dos frequentes ataques de Bolsonaro ao governador, a imagem do ‘Bolsodoria’ de 2018 ressurge em um dos quadros do gabinete no Palácio dos Bandeirantes. FOTO: Reprodução/GloboPlay

 

Doria cedeu uma longa e importante entrevista à obra e, em áudios vazados, sem perceber que não havia desconectado o microfone, o governador de São Paulo expõe o tom calorento do palanque político que foi instaurado na missão de conquistar o posto de detentor da primeira vacina aprovada para uso emergencial no País.

“Esse negócio tá virando uma novela. 30 milhões de dólares. Eu tô me expondo publicamente toda semana. Tô gastando meu capital toda semana. Ainda sofrendo ataques de Bolsonaro, bolsomininion, bolso não sei do quê. Bando de malucos.”

A guerra política instaurada pela falta de ações do governo federal é a grande protagonista de ‘A Corrida das Vacinas’. FOTO: Reprodução/GloboPlay

Outro ponto interessante da série é ressaltar o lado frágil da eterna quarentena, explorando não só a rotina de pessoas que se trancafiaram em suas casas e seguiram à risca o isolamento social, como o passo a passo dos voluntários que contribuíram durante os testes de vacinas experimentais.

Enquanto aguardo ansiosamente a vez dos meus pais se vacinarem e também uma previsão, ainda que distante, para a minha vez, eu só posso pedir para que assistam esse rico conteúdo e compartilhem nos grupos de WhatsApp.

É a história atrelada à informação apurada e muito bem construída por profissionais da comunicação.

O documentário tem a mesma função de um chá de boldo para indigestões. Difícil de tomar, mas necessário.

Um dos trunfos da produção é mostrar a rotina dos voluntários das vacinas experimentais. FOTO: Reprodução/GloboPlay

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.