2020: os melhores e os piores
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

2020: os melhores e os piores

Murilo Busolin Rodrigues

02 de janeiro de 2021 | 23h00

Ainda não parece real, mas finalmente saímos do inominável último ano.

Um período que se iniciou tímido e carinhosamente apelidado de ‘vinte vinte’, se transformou em uma época onde tudo de mais tenebroso passou a acontecer, e que ainda  aos  45 minutos do segundo tempo nos levou até a eterna Dona Benta do Sítio do Picapau Amarelo, a musa dos teatros, Nicette Bruno.

Qual foi a melhor e a pior música do ano para você? E reality? FOTOS: Reprodução

Ao contrário do novo coronavírus, o ano se arrastou, persistiu, mas acabou. Como a última pá na cova de dois mil e vinte, eu não poderia deixá-lo para trás antes de apresentar as minhas próprias, famigeradas e não menos odiadas, listas.

Deixo aqui as minhas humildes opiniões. Não especialista, mas como um consumidor entusiasta do entretenimento, nosso grande amigo durante o ano pandêmico.

Discorde, por favor.

Os melhores álbuns:

  1. Future Nostalgia. Dua Lipa. Não teve para ninguém. A britânica bebeu das melhores fontes e inspirações do pop para entregar músicas, videoclipes, performances e visuais que impactaram as mais variadas bolhas sociais.
  2. Fine Line. Harry Styles.
  3. After Hours. The Weeknd.
  4. Plastic Hearts. Miley Cyrus. Com a voz melhor do que nunca, a mais nova diva do rock descartou toda a sonoridade do EP She is Miley Cyrus e encontrou o lado artístico que mais a representa. A melhor surpresa do top 5.
  5. Ungodly Hour. Chloe x Halle. Se você ainda não conhece a dupla, corra e ouça o melhor R&B lançado nos últimos 12 meses. Vejo prêmios Grammy’s à vista.

Chloe x Halle, Dua Lipa e Miley Cyrus. FOTOS: Reprodução

 

Os piores álbuns escolhidos:

  1. Wonder. Shawn Mendes. Letras básicas demais e produções ainda mais fracas. Sem qualquer atrativo, nem sua típica regata branca colada ao corpo sustentou essa era.
  2. Smile. Katy Perry. Desculpe, Katy, você parece ser uma ótima pessoa, mas esse é o disco mais fraco de sua carreira.
  3. Club Future Nostalgia. Dua Lipa & The Blessed MadonnaDona do melhor álbum pop do ano, desculpe Chromatica, fez com que a frase ‘se melhorar, estraga’ fosse concretizada ao decidir levar o Future Nostalgia para as pistas de dança. A dj responsável pelas mixagens pra lá de bagunçadas, The Blessed Madonna, não melhorou, mesmo.
  4. Love Goes. Sam Smith
  5. LEXA. Lexa.

‘Club Future Nostalgia’, ‘Wonder’ e ‘Smile. FOTOS: Reprodução

As melhores séries/realities.

  1. I May Destroy You (HBO Go). O mundo é de Michaela Coel e nós vivemos nele. Genial, contemporânea e um perfeito material de debates sobre abuso sexual.
  2. The Boys (2ª temporada/Amazon Prime). Sabe a sensação de assistir algo e esperar por cenas impactantes a todo tempo? A segunda temporada me deixou aflito do começo ao fim.
  3. BBB 20 (Globo). Quem diria que, após exaustivas temporadas, a adesão de influenciadores daria uma nova vida ao reality? Gol do Boninho! Foi o maior acontecimento da TV brasileira.

‘BBB 20′, I May Destroy You’ e ‘The Boys’. FOTOS: Reprodução

As piores séries/realities.

  1. Reality Z (Netflix). É ruim demais, mas ao mesmo tempo te entretém o suficiente para que você maratone todos os episódios no mesmo dia. Obrigado por tudo, Sabrina Sato.
  2. The Hunters (Amazon Prime Video). A produção parecia promissora e gigantesca em todos os sentidos, mas é totalmente arrastada.
  3. A Fazenda (Record). Só de ter Biel no elenco, o reality já entraria para o ranking, mas o fracasso na organização das provas foi um infeliz motivo extra.

Mesmo se eu estiver cancelado no fim dessa lista, desejo a todos um próspero 2021.

‘Reality Z, ‘A Fazenda’ e ‘The Hunters’. FOTOS: Reprodução

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.