Um ano sem Amy e os que querem que seus ídolos se ferrem!

Estadão

21 de julho de 2012 | 01h36

“O fã que te ama, um dia vai crescer e te matar”. A frase é do Morrissey, que continua vivo. Amy Winehouse não teve a mesma sorte. Dia 23, segunda-feira, aqueles que a amavam (e sim, ela é insubstituível) vão sentir saudades de verdade. Mas usando a teoria básica do seu Doutor Freud. O amor é a outra face do ódio. E não o seu contrario.

Amy morreu há um ano crucificada viva pela mídia e por uma categoria própria de fãs (aqueles que gostavam que ela aparecesse bem loca, que iam a shows para gritar: “bebe mais!”).

Essa categoria de gente não aprendeu nada com a desgraça de Amy. E a humanidade deve ser assim mesmo. Triste. Já aconteceu com Kurt Coibain (“tomara que ele quebre o palco”), com Renato Russo (“tomara que ele dê vexame”) e tantos outros.

Um ano depois de Amy. Jovens como Lindsay Lohan continuam “fazendo sucesso” quando burlam a “condicional”, “sofrem acidentes de carro” . “Ela continua a aprontar”, dizia um site sobre ela esses dias, como se isso fosse bacana.

Um ano depois de Amy. Sobra até para  super pop star Madonna, que é achincalhada cada vez que uma foto sua com rugas é tirada por um paparazzi. “Bruxa”, gritam aqueles que a veneram. A cantora vem ao Brasil no fim do ano. E não duvido que muita gente pague 900 reais para chamá-la de velha. Já vi cena parecida com Amy. Quando ela esteve no Brasil, muitos gritavam na cara e disputada pista VIP: “doidona, doidona!”.

Os “haters” da rede se alimentam diariamente de xingar seus ídolos. Ou você vai perder seu tempo com alguém que te é totalmente indiferente? E não duvidem. No dia em que muitos chorarão um ano sem Amy, outros a continuaram xingando nos confins da internet: “Essa menina foi exemplo dos jovens que se drogam e da degradação da sociedade etc.” “Neguinho se acha”.

Um ano sem Amy. Conselho para fãs que a amavam de um jeito saudável. Não ler comentários na internet, ignorar a piraçao do pai da cantora (para que serve). E pedir piedade. Viva a Amy!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.