Programa de domingo: concurso de felicidade do Instagram

Estadão

26 de agosto de 2012 | 17h11

Domingo do ano passado: devo ter ganho o concurso

É domingo. Você não saiu. Decide ir ao cinema mais tarde. Com o tempo, começa a se sentir solitário. O telefone, com internet rápida, está ao seu lado da cama. Você larga o livro. Pega o aparelho.
Pronto. O mundo inteiro está em: parques com cachorros, parques com crianças, praias com namorados, praias com crianças, festas, almoços glamourosos cercados de amigos. Menos você. Pronto. É o suficiente para que você comece a se sentir um lixo. Não é exagero. Estudos ainda não feitos mostram que o Instagram aos domingos causa depressão.

O mesmo acontece com o sábado de noite. Isso quando você não sai e acaba assistindo o mundo inteiro em festas, shows, jantares. Sensação: só você não saiu. Só você ficou em casa. Seu PERDEDOR!

E o que fazemos quando saímos e temos um fim de semana ótimo? Postamos fotos felizes no Instagram. “É tudo um jogo de vingança”, disse uma vez um amigo. E ele tem sua razão. Temos raiva quando vemos que os outros aparentam estar felizes. Aí quando estamos em uma festa bem legal, ou na praia, enfim, com um bom “cenário” e ótimos figurantes, vamos lá e ESNOBAMOS. Muita gente pode ficar deprimida por nossa causa, mas dane-se! Se eles podem, também posso.

E assim, corre o Instagram, em um eterno concurso de quem é mais feliz.

Se a felicidade é de verdade? Muitas vezes é. Mas há um tempo a gente guardava isso para gente. No máximo, contava para os colegas de trabalho na segunda-feira. Hoje, não, mostramos para o mundo. E sim, claro, eu faço isso. Eu exibo. Esfrego na cara. E recebo de volta a felicidade dos outros me perturbando quando quem está triste sou eu. É um jogo bem maluco esse concurso. E cada vez mais difícil ficar longe dele.