O personagem “Cadinho” e o homem brasileiro que se acha

Estadão

14 de agosto de 2012 | 13h25

Homem brasileiro em geral se acha. Deve ser porque há mais mulheres do que homens no país (a proporção é de 100 mulheres para 95,9 homens, segundo o IBGE). Ou porque eles foram criados como reis mesmo, sem lavar um prato e ouvindo as mães falarem “quem decide é o seu pai”. Fato: muito homem brasileiro se acha. Falo do macho adulto e branco, aquele que continua AINDA no comando.

Nos passado, diagnostiquei isso como “Síndrome de Brad Pitt”. Explico: o cara nem é grandes coisas,mas, quando se olha no espelho, vê um homem maravilhoso. A barriga de chope desaparece instantaneamente e é substituída por um corpo de atleta em uma espécie de alucinação. Nós, mulheres, sofremos do efeito contrário e quando nos olhamos no espelho nos achamos um lixo. Pesquisas mostram que a maioria de nós é insatisfeita com o corpo que tem, mas isso é outro assunto.

Fato. O homem brasileiro que se acha agora ainda tem um personagem de TV para se espelhar, feito só para ele: Cadinho, da novela “Avenida Brasil”. A trama das nove é chamada de moderna e considerada o máximo por um monte de gente que escreve sobre entretenimento (eu). “Novela moderna”, dizemos, quando vemos o subúrbio finalmente retratado.  Mas é só atravessar o túnel em direção à zona sul que damos de cara com um homem que tem três mulheres. Assim, simples. Elas não conseguem viver sem ele. E depois de descobrir que ele era casado com duas e tinha uma amante, elas vão lá e decidem dividi-lo.

Detalhe: o personagem nem é um cara incrível. É um homem atordoado, que não consegue viver sem as mulheres (coitado). Em episódio recente, ele pega uma gripe. Fica deitado na cama igual a um sultão dizendo que vai morrer, com as três mulheres em volta, divididas entre uma raiva estilo “Zorra Total” e uma pena real  “do pobre coitado.”

Estado das coisas na TV brasileira: a classe C ganha espaço, empregada vira protagonista, o subúrbio do Rio vira núcleo principal. Mas certas coisas não mudam.  Homem não beija homem (e o beijo gay, cadê?) e homem branco ainda posa de maioral.

Espera-se, de verdade, que os homens não acreditem no que estão vendo na novela e não tomem aquilo como exemplo. Nem as moças. Sim, queridos, gostamos muito de vocês, mas vocês não são, assim, nenhum Brad Pitt. E mesmo se fossem…

Tendências: