O globalizado da rede e o chavequeiro de DM: tipos da Internet parte 2

Estadão

21 de novembro de 2012 | 13h25

O globalizado da rede

Ele nunca está em casa. Está “at home”. Adora dar “check in” em aeroportos do mundo. Mas a maior característica desse tipo é mesmo sua predileção pela língua inglesa. Só escreve em inglês no Facebook, onde seus amigos, também globalizados, respondem na mesma língua. Ou seja, eles ficam brincando de aula de inglês do CCA se achando chiques. Pessoa que não freqüenta o Twitter, pois se sente mal porque lá as pessoas falam em português (vê se pode?). Quando está “at home, ” posta fotos de sua última viagem internacional com a legenda “latest acquisition” (últimas compras, em bom português).

 

O ativista de sofá

Categoria sugerida nos comentários do post anterior desse blog e que engloba essa que vos escreve. Pessoa revoltada com as injustiças do mundo, que tem vontade de sair berrando “está tudo errado” e faz isso em redes sociais. Usa as redes para chamar pessoas para ocuparem praças, reclamar da violência policial e das injustiças do mundo em geral. Adora um abaixo assinado e uma causa. Existem vários tipos de ativistas de sofá: os defensores dos animais (uma categoria a parte), o político, o ecologista etc. E claro, algumas pessoas são poli-ativistas, e englobam todas as causas.

 

A participante de reality show

Não, ela nunca entrou em um reality! E ainda é capaz de falar mal deles. Mas faz da sua vida um. Tudo que acontece no seu próprio umbigo é noticia. Muda seu status no Facebook para escrever: “de que cor pinto as unhas?”. Tudo é documentado: suas idas ao hospital, seu novo corte de cabelo. E escreve no twitter coisas do estilo: “indo tomar banho”. Ok, ok. Todos somos um pouco participantes de reality. Como negar?

 

O chavequeiro da DM

Do nada, começa a conversar muito com você pelo tiwtter, sendo que na vida real vocês nunca passaram do oi. Aí começa a te mandar DMs (mensagens diretas) sem parar. Em uma delas, te chama para sair. Mas nunca aparece. Irmão de sangue do Dom Juan de Facebook.

O curtidor compulsivo

Curte todas as fotos do Instagram, todas as mudanças de status, tudo, absolutamente tudo. Você se assusta, achando que a pessoa está obcecada pela sua vida, que claro, como a de todo integrante de redes sociais, tem um “que” de reality. Até que comenta com amigos e eles dizem: “ah, mas é assim comigo também”. Detalhe: melhor um curtidor compulsivo do que um hater, aquele ser cheio de ódio no coração     que nem merece um tópico nesse texto.

O Fantasminha Camarada

Pessoas que usam nomes falsos no twitter e acabam meio virando suas amigas. “Como assim, você não conhece ele?”, perguntam seus amigos quando você cita com intimidade uma frase que ele disse. “Não, mas a gente é meio amigo”, você responde. Sim, somos amigos de pessoas que nunca vimos a cara, não sabemos o nome, nada. Também conhecido, segundo uma amiga, como “nosso pessoal”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.