O Canal Bem Simples, a mulher marzipan e as saudades da “TV Mulher”

Estadão

14 de abril de 2012 | 12h04

“Eu tentei, tentei muito, gastei dinheiro, tempo, mas consegui fazer o marzipan perfeito.” A frase é dita em tom de superação por uma apresentadora no canal “Bem Simples”, aquele dirigido para mulheres na TV fechada. A impressão: ela falava da conquista de um desafio tipo escalar o Himalaia ou se livrar de um vício.

Vou ser sincera. Nunca tinha tido paciência para ver o canal. Nem por obrigação profissional. Sempre que olhava o cenário tosco imitando cozinhas e os temas: “confeitaria”, “bordado”, sentia uma espécie de repulsa natural. Não me julguem. A gente não tem controle quando a repulsa vem de dentro.

Precisei ficar gripada e de cama (praga antecipada da mulher marzipan?) para passar parte de uma tarde vendo o programa “Confeitaria”, onde as pessoas ensinavam a fazer “Tea Cake de Abacaxi”. “Tea cake”? Sei! Vocês querem é acabar com o bolinho! Moramos no Brasil: Cup Cake, Tea Cake. Não acabem com o nosso bolo. Por favor. A impressão vendo o canal (e tentando, tentando, tentando muito) não ser implicante.Estamos de volta aos anos 50. Tudo bem cozinhar, tudo bem fazer tricô. Tudo bem tudo. Mas será que é preciso ser tão anos 50?.

Ah, sim, o canal tem um programa masculino, o “Homens Gourmet”. Gourmet, claro. Mulher quando cozinha é mais que obrigação. Homem quando faz é gourmet. Sei.

Com a gripe, a febre, e o “Bem Simples”, comecei a sentir muita nostalgia da minha infância, quando passava as manhãs vendo “TV Mulher”. Marilia Gabriela e Marta Suplicy nos ensinavam (quer dizer, ensinavam nossas mães, eu era muito criança) que mulher fazia sexo, trabalhava e tinha opinião. Isso faz uns 30 anos. Lá, Clodovil desenhava modelos incríveis (acho que comecei a gostar de moda ali). E mulher, bem, gostava de cozinhar, de transar, de roupa, das notícias do dia. Éramos, enfim, meio normais. Pela volta do TV Mulher! Elas fizeram tudo aquilo para a gente agora estar em busca SÓ do marzipan perfeito? ?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.