Madonna, Patti, e a patrulha contra as moças “velhas”

Estadão

16 de junho de 2012 | 10h51

“A Madonna mostrar o peito aos 53 anos não é mais chocante, é nojento”. O comentário é de um leitor de um site. Assunto: a pop star mostrou um peito durante um show de sua nova turnê, MDNA. Espera. Madonna já fez um livro de fotos sexys, já beijou moças em clipes, flertou com o sadomasoquismo e fez coreografias eróticas com uma cruz(!). Mostrar um peito? O que isso tem demais?

A cantora tem exibido sua forma física em outros shows da turnê. Logo depois do “escândalo” do peito, abaixou o figurino e exibiu uma sexy calcinha fio dental. “Não pode!”, gritam os patrulhadores mundo a fora. Como não pode?  Madonna já fez de tudo! Motivo de tanta repressão: a cantora tem 53 anos. Se você é mulher, você não pode envelhecer. E, bem, se isso aconteceu (e costuma acontecer com todo mundo), que você coloque uma burca!

Claro, a regra só vale para as moças. O rei Iggy Pop, do alto dos seus 65anos, continua dançando e rebolando maravilhosamente pelos palcos. Ele adora usar uma calça de cintura muito baixa. Se ela cai, ele não liga. Ninguém fala que o Iggy é nojento. Nós, mulheres fãs, gritamos achando que ele é um gato. E os homens aplaudem a lenda do rock.

No mesmo mês em que Madonna mostrou um peito (de novo, só um peito, nada demais) e chocou o mundo, outra artista, que mora em outra margem da história, desafia o mundo com sua poesia aos 65 anos. Patti Smith, a poeta do rock, a ídola do underground americano, lançou um disco excelente, ”Banga”, aclamado pela crítica como um dos seus melhores trabalhos. Na foto de capa, Patti posa quase sem maquiagem, rugas aparentes, cabelo grisalho e jeito de garota.

Madonna e Patti, cada uma ao seu modo, estão aí dando tapas na cara da sociedade que insiste em colocar mulher “de uma certa idade” em papéis de avós recatadas. “Saber envelhecer”, dizem por aí, é ser chique. E ser chique é ser discreta. A regra,  insisto, só vale para as mulheres.

Viva Madonna e Patti que estão aí para quebra-las.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.