Kristen Stewart é a “vagaba da vez”. Free, Kristen Stewart!

Estadão

22 de agosto de 2012 | 12h52

“Kristen Stewart é uma trampire”. O dizer, que significa algo como “Kristen é uma vampira vagabunda”,  está impresso em uma camiseta à venda na Internet. Você não conhece a menina, não tem nada a ver com ela, mas pode sair por aí a chamando de vagabunda porque ela traiu o namorado. Outra camiseta diz:  “Kristen Stewart is a cheater“ (Kristen Stewart é uma traidora).

A moça, estrela da saga “Crepúsculo”, foi fotografada aos beijos com o diretor Rupert Sanders, casado, pai de dois filhos, mês passado.  Desde então, Kristen virou a piranha da hora. Mundo a fora, o público e a imprensa sensacionalista gritam em uníssono: VAGABUNDA!

A pobre coitada agora vive escondida, desmarcou compromissos. Foi vista uma única vez e fotografada de óculos, saindo de um supermercado. Ela usava jeans e uma camiseta cortada. Um site americano publicou a foto junto com um título “denúncia”: KRISTEN STEWART É VISTA NA RUA USANDO UM TOP!!!!  A roupa que ela vestia  rapidamente virou um escândalo. Se ela usou uma camiseta que mostrava a barriga, pronto, mais uma prova de que não passa de uma VAGABA!  Se a atriz beijou um homem casado, ela que viva os próximos anos de sua vida usando uma burca!

Pior de tudo (se é que dá para piorar).  Kristen é uma estrela do público adolescente. A gente imagina (e espera) que o mundo evolua e que as novas gerações sejam menos moralistas e machistas. Nos meus tempos de escola, a menina que ficava com todos os caras era galinha. O cara que pegava todos era o gostosão. No que depender da maioria da mídia, tudo vai continuar assim. Depois de ver sua “ídola” condenada em praça pública, difícil imaginar que um adolescente não vá reproduzir o comportamento na escola, nas festinhas, no prédio.  Se aquela menina namorada do atleta ficar com outro, vai ser chamada de galinha, tiranizada, alvo de bullyng e jogada na mesma fogueira onde Kristen queima.

Enquanto isso, e o cara que a beijou? “Quando dois não quer, dois não beija”. Mas o diretor Rupert ainda não foi chamado de puto, piranho, vagabundo. Ninguém fez uma linha de camiseta com dizeres ofensivos contra ele. E espero que não façam!

É justo? Não. É machista? Muito. Por isso, depois do movimento “Free Pussy Riot,” lanço outro aqui. E se fizerem essa camiseta, eu compro: FREE, KRISTEN STEWART!

PS. Quando o escândalo foi noticiado, escrevi aqui nesse blog que não sabia quem era Kristen. Agora eu sei. E não é porque me tornei fã dos seus filmes. É porque ela foi eleita a vagaba da vez…

Tendências: