Gal Costa e a arte de não envelhecer (nada a ver com Botox)

Estadão

10 de abril de 2012 | 15h09

“Eu vi muitos cabelos brancos na fronte do artista, o tempo não pára e no entanto ele nunca envelhece”. Quem esteve domingo no Parque da Juventude em São Paulo,  na estreia do show Recanto, de Gal Gosta, se emocionou (muito) ao ver a cantora, 65 anos profeirir essa frase. Muitos aplaudiram. A cantora estava  com sua banda formada por jovens bacanas, cantando lindamente, improvisando passos de funk , flertando com a música eletrônica e mostrando que sim, tem artista que nunca envelhece. “A vida é amiga da arte”. Ouvir a própria Gal cantando aquilo ( parece que ela nunca cantou tão bem) foi de fazer chorar. Eu chorei.

Voltamos para casa felizes. Pensando que é, sim, possível envelhecer e continuar “jovem” de alma. “Quando eu crescer, quero envelhecer como os tropicalistas”, falávamos.  Domingo no parque. Todo mundo feliz e emocionado. O tempo não é, como nos dizem o tempo todo em propagandas de creme “anti-age”, um senhor malvado. Gal mostra isso no disco. E na apresentação. Tempo, tempo, tempo.

O show reúne o repertório do disco “Recanto”, o de músicas novas de Caetano Veloso para Gal, e clássicos como  “Baby” e “Vapor Barato”. O tempo passou para Gal. Mas a artista (no entanto) não envelheceu. Por isso voltamos para casa contentes. Sim, isso é possível! Mas não é para qualquer um.

Atenção: não envelhecer não é ser turbinada. Não é parecer ter 19 anos. Não é ser trabalhada no photoshop. Nada disso. Estamos falando aqui de outro tempo. Outro nível.  Outra história. As celebridades (e os anônimos que se entopem de botox) para parecer “dez anos mais jovens” poderiam tentar aprender com a Gal. Mas será que eles conseguem? Difícil.  Isso não é coisa que se compre ou se conquieste em um programa miraculoso de televisão, não. Fato. Gal consegue. E Caetano, idealizador do projeto, também.

Tudo o que sabemos sobre:

#gal #musica #pop #celebridades

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.