Cuidado com Angela Bismarchi, a caricatura do apocalipse

Estadão

10 de setembro de 2012 | 23h33

Angela Bismarchi é a personalidade mais bizarra do Brasil. A moça é modelo e conhecida pelo seu numero de plásticas (um enigma). Agora, ela se prepara para fazer mais uma. E avisa isso em entrevista. Vai, pela segunda vez, fazer uma operação de reconstituição de himem, para fingir para si mesma e para o marido que ainda é virgem.

Em entrevista, ela avisa que isso é uma fantasia sexual dos dois. Sim, vivemos uma época em que as pessoas marcam entrevista para contar qual é o seu fetiche. A graça do fetiche não seria justamente ele ser escondido? Não, porque existe outro fetiche, que é o de aparecer. Mesmo que seja da maneira mais estapafúrdia.

Cada um com o seu fetiche. Mas dar de presente uma virgindade falsa para o marido é bizarro e machista que só. Querer evitar a passagem do tempo de todas as maneiras é assustador. Angela é o nosso Michael Jackson em versão brasileira e feminina. Uma Barbie que fala.

Poderia ser tudo engraçado se não fosse triste. O Brasil é o segundo país no mundo em numero de cirurgias plásticas. Só perdemos para os Estados Unidos. Muitas mulheres viajam para o Brasil SÓ PARA FAZER PLÁSTICA, em pacotes de turismo que incluem sangue. Angela acaba sendo exemplo de coisas tristes que temos por aqui: obsessão por plástica é só uma delas.  Angela também mostra o que uma cultura machista faz. É preciso se fingir de virgem. E toda mulher que não tem coragem de contar para o namorado com quantos homens já transou acaba sendo um pouco Angela Bismarchi quando faz isso.

Ela é a versão exagerada de toda a loucura, claro, óbvio. E como recompensa, ganha a tão sonhada fama. Outro absurdo: ela estava em “A Fazenda” e soube lá que sua irmã morreu. E chorou em um reality show. Fim do mundo. Suas plásticas são espetáculo, seu luto e agora sua RECONSTITUIÇÃO DE HIMEM.

Pense em Angela Bismarchi cada vez que for retocar o botox, dar uma esticadinha ali ou se fazer de difícil para conseguir pegar um homem. Angela é uma caricatura. Mas não custa se prevenir. 🙂

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.