BBB: A comédia “pastelão-CSI” da TV Globo

Estadão

17 de janeiro de 2012 | 12h50

A notícia chegou durante a tarde de ontem. A polícia estava no Projac para investigar um suposto caso de abuso sexual dentro da casa do BBB. Pára tudo! Histeria. Não é todo dia que a POLÍCIA entra no PROJAC, o terreno da todo poderosa TV Globo. Veja bem. Isso já era uma notícia e tanto. Mas se desenrolava ali um dos enredos mais bizarros da dramaturgia brasileira dos últimos tempos (e não, não era ficção).

A comédia “pastelão-CSI” da TV Globo havia começado na véspera quando, depois de rumores de que poderia ter havido um caso de abuso sexual no programa, Pedro Bial comentou o caso com a frase: “o amor é lindo.”

Chiadeira na internet. Policia indo atrás. Ministra pedindo providências. Não, o povo não é bobo. E agora o povo tem internet. Coisa que a Globo parece ainda não ter se dado conta na hora em que tentou enganar descaradamente a audiência com seu “pastelão-CSI.”

A policia chega. O povo que, repito, não é bobo, acompanha pela rede. O áudio do PPV sai do ar.  Daniel, o acusado, recolhe suas roupas. Algumas horas depois o áudio volta. Ninguém na casa fala no assunto (e eu fico aqui pensando como deve ser o contrato que essas pessoas assinam). O jornal “O Globo” avisa que o participante foi expulso, mas que o anuncio será feito no programa.

Todos esperam. E a comédia dos erros atinge seu pico e ganha ares de surrealismo. Pedro Bial fala rapidinho que desde a véspera a direção do programa estudava uma imagem (a tal em que supostamente Daniel se aproveitara de Monique bêbada). Espera, ele não tinha dito na véspera que o amor era lindo? Neguinho acha que a gente é idiota? Neguinho está errado. “Daniel foi eliminado por infrigir as regras do programa”. Isso é basicamente tudo o que o apresentador diz. Em seguida, ele se faz de louco e quase grita: ‘mas o espetáculo tem que continuar!”.

Bem, depois dessa o BBB já acabou, Pedro Bial. E o espetáculo foi cômico. Se não fosse trágico.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.